Tempo
|
A+ / A-

Papel da Igreja no espaço digital é gerar comunhão

27 set, 2018 - 06:34 • Ana Lisboa

É uma das vertentes da mensagem da Obra Nacional da Pastoral do Turismo para o Dia Mundial do Turismo, que se assinala esta quinta-feira.

A+ / A-

A Obra Nacional da Pastoral do Turismo pede aos cristãos que façam da rede digital um espaço de comunhão, “de acolhimento e de esperança” para os turistas. Um espaço que promova a ajuda de que os viajantes precisam, nomeadamente, respostas para a sua vida espiritual.

Esta é uma das vertentes de reflexão proposta na mensagem pela pastoral do sector para o Dia Mundial do Turismo que hoje se assinala. A mensagem para este ano tem como tema “O turismo e a transformação digital – A rede como espaço de comunhão”.

O Padre Miguel Neto considera que o “papel da Igreja em relação ao espaço digital, é sobretudo gerar comunhão, ocupar esse espaço que existe com dinâmicas e catequeses”. Em seu entender, a Igreja tem de estar presente "através da sua mensagem, do seu diálogo, aquilo que é a postura dos crentes, a postura de quem tem fé nesse espaço de comunhão”. Esta é, assim, uma nova forma de evangelizar admite este responsável da pastoral do turismo.

Através das novas tecnologias, a Igreja pode oferecer aos turistas, a quem viaja, respostas para a sua vida espiritual. Por exemplo, “em relação àquilo que são os horários das missas, os espaços das confissões, isso tudo surge através do âmbito digital”.

Fala-se cada vez mais no turismo religioso, como um segmento que está em crescimento. No entanto, é uma área que precisa de crescer cada vez mais através das redes sociais.

Em Portugal, o turismo religioso “ainda está pouco explorado, porque quando nós falamos de turismo religioso, grande parte das pessoas lembra-se de Fátima. E existem imensas romarias, procissões, hábitos de vida, vivência cristã por explorar” reconhece o Padre Miguel Neto.

Na opinião do responsável, “o turismo religioso é algo que está por trabalhar e por explorar, não só na perspetiva económica, mas também na perspetiva da evangelização e de uma aproximação àquilo que é a identidade religiosa e cristã de cada lugar”.

O Padre Miguel Neto garante que a rede digital “é a ferramenta ideal, porque é rápida, barata, não tem custos de produção e há um acompanhamento ao longo daquilo que é a atividade. Nós, hoje em dia, podemos acompanhar através da rede digital tudo aquilo que são as manifestações cristãs, religiosas, de fé de qualquer lugar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.