Tempo
|
A+ / A-

Jornadas de Comunicação Social

Estamos na era digital, mas é preciso não esquecer o pessoal

27 set, 2018 - 12:28 • Teresa Paula Costa

Já arrancaram, em Fátima, as Jornadas Nacionais de Comunicação Social. “APPlica-te” é tema escolhido para a edição deste ano, que inclui uma mostra multimédia dos vários projetos digitais que já servem a Igreja.

A+ / A-

A evangelização passa hoje pela comunicação digital, mas não substitui a relação humana e comunitária. O alerta foi deixado esta quinta-feira, em Fátima, pelo presidente da Comissão Episcopal das Comunicações Sociais.

É no digital que estão as pessoas, por isso, é lá que a Igreja tem de estar para evangelizar, afirmou D. João Lavrador na abertura das Jornadas Nacionais da Comunicação Social, que começaram em Fátima.

“Se as pessoas hoje, na sua maioria, sobretudo os jovens, é aqui que caminham, que comunicam, que querem ter informação, e é aqui que de alguma maneira podem entrar com a realidade da Igreja, então a Igreja tem por dever desenvolver estas aplicações e utilizá-las”, disse à Renascença, à margem do encontro.

O bispo de Angra e presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais alertou, no entanto, para o facto de o digital não substituir a dimensão comunitária e presencial das pessoas.

“Hoje, ao nível sociológico e, sobretudo, ao nível da psicologia das relações entre as pessoas, já se chama a atenção para não se ficarem simplesmente pelas aplicações ou na informação ou diálogo pelo digital. É necessário que as pessoas se encontrem pessoalmente. Portanto, tudo isto pode facilitar o encontro pessoal, e sobretudo a participação”, sublinhou.

Com o tema “APPlica-te”, as jornadas são organizadas em conjunto pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais e pela Rede Mundial de oração pelo Papa, dos jesuítas, que realizam também as suas III Jornadas Nacionais de Comunicação Digital.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.