Tempo
|
A+ / A-

Papa deseja que “nova fase” na China "ajude a sanar feridas do passado"

26 set, 2018 - 09:50

É mais um passo de Francisco no sentido da amenização das relações com Pequim.

A+ / A-

O Papa vai dirigir, esta quarta-feira, uma mensagem à comunidade católica da China. As palavras surgem depois de ter sido assinado um acordo provisório entre o governo de Pequim e a Santa Sé sobre a nomeação dos bispos na China.

“Com isso, desejo que se possa abrir na China uma nova fase que ajude a sanar as feridas do passado, a restabelecer e a manter a plena comunhão de todos os católicos chineses e a assumir com renovado empenho o anúncio do Evangelho”, afirmou na habitual audiência das quartas-feiras, na Praça de S. Pedro, no Vaticano.

Francisco dirigiu depois um apelo a todos os católicos. “Caros irmãos e irmãs, temos uma tarefa importante! Somos chamados a acompanhar com fervorosa oração e amizade fraterna os nossos irmãos e irmãs da China. Eles sabem que não estão sozinhos. Toda a Igreja reza com eles e por eles”.

As relações com a China foi um dos temas abordado com os jornalistas a bordo do avião papal, durante a viagem de regresso das antigas repúblicas soviéticas do Báltico. Francisco admitia que nem todos vão perceber a lógica deste entendimento entre a China e a Santa Sé, mas acredita na Fé dos católicos chineses.

O acordo entre Pequim e a Santa Sé foi assinado na capital chinesa a 22 de setembro. “É fruto de um longo e ponderado caminho de diálogo, destinado a favorecer uma colaboração mais positiva entre a Santa Sé e as Autoridades chinesas para o bem da comunidade católica na China e para a harmonia de toda a sociedade”, explica o Papa.

“Neste espírito, decidi dirigir aos católicos chineses e a toda a Igreja universal uma Mensagem de encorajamento fraterno que será publicada hoje”, acrescentou nesta quarta-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+