Tempo
|
A+ / A-

Em Portugal, há 713 mil carros altamente poluentes

17 set, 2018 - 23:20

​Mesmo após o "escândalo dieselgate", carros a gasóleo poluentes aumentam aos milhões na Europa.

A+ / A-

O número de automóveis a gasóleo a circular na Europa continua a aumentar, atingindo 43 milhões este ano, três anos depois do escândalo da manipulação de emissões poluentes por várias marcas, segundo um estudo divulgado esta segunda-feira.

Na análise da Federação Europeia dos Transportes de Ambiente, que junta vários organismos ambientalistas, França e Itália são os países em que circulam mais carros a gasóleo, mais de oito milhões em cada um, enquanto em Portugal há 713 mil carros altamente poluentes nas estradas.

Nas conclusões do estudo, alerta-se que muitos dos 43 milhões de veículos (mais cinco milhões que no ano passado e mais 12 milhões que em 2015) acabarão por ser exportados para a Europa de Leste e para África, continuando a poluir o ar de cidades por todo o mundo durante décadas.

Mesmo os carros que passaram nos testes de emissões da União Europeia revisto após o escândalo que ficou conhecido como "Dieselgate" emitem óxidos de azoto nove vezes acima do limite legal quando são conduzidos em condições reais.

A associação portuguesa ZERO, que pertence à federação, defende que os carros a gasóleo devem ser restringidos no centro de Lisboa, uma de várias "medidas mais exigentes" necessárias para melhorar a qualidade do ar urbano.

Para ilustrar, a ZERO afirma que as leituras de dióxido de azoto na Avenida da Liberdade, em Lisboa, "apontam para a ultrapassagem do valor limite em 2018.

"É inadmissível que, três anos após o Dieselgate, a União Europeia não tenha tomado as medidas necessárias para tornar mais eficientes milhões de veículos poluentes que continuam a circular nas estradas europeias", considera a ZERO, que defende que "a indústria automóvel não pode continuar a encontrar novas formas de manipulação dos testes" e deve aceitar a passagem de veículos de combustão para elétricos.

A classe de veículos mais recente, a EURO 6, foi desenhada pela indústria para passar nos testes mas emite "muito acima do limite legal" quando é conduzida em estradas com relevo ou quando anda mais depressa.

"Apesar das medidas introduzidas para a redução do tráfego automóvel no centro de Lisboa terem tido alguns benefícios em termos de melhoria da qualidade do ar, é preciso que as autoridades estabeleçam medidas mais exigentes, nomeadamente a restrição de veículos mais poluentes a gasóleo no centro da cidade", defende a ZERO.

Há "falhas sérias no recém-lançado teste RDE e na sua capacidade de garantir baixas emissões dos veículos em condições reais", lê-se no relatório.

"Contrariamente aos argumentos da indústria automóvel, os resultados mostram que até mesmo os veículos mais recentes introduzidos no mercado emitem mais poluição na estrada do que quando testados em condições de laboratório", assinala ainda a ZERO.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Figueiredo
    18 set, 2018 Póvoa de Varzim 09:37
    Haja fiscalização séria nos testes de emissões quando se produzem os novos carros.

Destaques V+