|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Iémen. Mais de 80 mortos em confrontos após fracasso de negociações

09 set, 2018 - 16:36

Este é o último balanço só respeitante às últimas 24 horas.

A+ / A-

Onze combatentes das forças pró-governamentais e 73 rebeldes Huthis foram mortos no Iémen em novos combates nas imediações de Hodeida, após o fracasso de negociações que estavam previstas em Genebra, indicaram fontes médicas e hospitalares.

Este balanço é relativo a combates considerados "violentos" em torno da cidade de Hodeida nas últimas 24 horas.

Segundo as mesmas fontes, registaram-se ainda 17 feridos nas forças pró-governamentais e "dezenas" nas fileiras rebeldes.

As forças pró-governamentais conseguiram atingir a principal estrada que liga Hodeida à capital, Sanaa, e a outras províncias, de acordo com responsáveis militares iemenitas.

A aviação da coligação liderada pelos sauditas, que combate os rebeldes, lançou vários ataques na referida estrada.

Hodeida e outras regiões do norte do Iémen são controladas desde finais de 2014 pelo Huthis, que são apoiados pelo Irão.

A ONU não conseguiu reunir o governo e os rebeldes iemenitas em negociações que deviam começar em Genebra na quinta-feira, reconhecendo o fracasso do diálogo no sábado.

A guerra no Iémen opõe as forças pró-governamentais, apoiadas pela coligação liderada pela Arábia Saudita, aos rebeldes xiitas Huthis, ajudados pelo Irão e que ocuparam em 2014 e 2015 vastas regiões do país, incluindo a capital Sanaa. O conflito já causou cerca de 10 mil mortos, na maioria civis e provocou a pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.