Tempo
|
A+ / A-

Sócrates pede abertura de instrução na Operação Marquês

07 set, 2018 - 14:17

O pedido chegou na última noite, em cima do prazo limite, através de email e por fax enviados ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

A+ / A-

Veja também:


A defesa de José Sócrates pediu a abertura de instrução no processo "Operação Marquês", em que o antigo primeiro-ministro é o principal arguido, apurou a Renascença.

O pedido chegou na última noite, em cima do prazo limite, através de email e por fax enviados para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O ex-primeiro ministro José Sócrates foi formalmente acusado pelo Ministério Público (MP) de 31 crimes.

A acusação detectou a alegada prática de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documento e três de fraude fiscal qualificada.

Os factos em investigação tiveram lugar entre 2006 e 2015, ou seja, com Sócrates primeiro-ministro (2005 a 2011) e depois de deixar o cargo.

O prazo para pedir a abertura da instrução do processo da Operação Marquês terminou à meia noite de quinta-feira.

Mais de metade dos arguidos avançaram com requerimentos para a realização desta espécie de pré-julgamento.

Além de Sócrates, da lista dos arguidos que requereram a abertura da instrução fazem parte Hélder Bataglia, Rui Mão de Ferro, Gonçalo Ferreira, José Paulo Pinto de Sousa, José Diogo Ferreira, Carlos Santos Silva, Sofia Fava, Armando Vara, Henrique Granadeiro, Bárbara Vara, Zeinal Bava e Joaquim Barroca.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    07 set, 2018 Viseu 20:15
    Apesar de tudo, confiamos na Justiça Portuguesa. Sabiamente, escreveu Agostinho de Hipona (354-430) : «Um Estado que não se regesse segundo a justiça reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões»…