Tempo
|
A+ / A-

​Vinte mil professores foram colocados

30 ago, 2018 - 18:59

Ministério da Educação refere que a divulgação das listas ocorre "dentro do calendário previsto, a duas semanas do início das aulas".

A+ / A-

Vinte mil professores ficaram colocados no ano letivo 2018-2019, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Educação no dia em que foram publicadas as listas de docentes.

Em nota à comunicação social, o Ministério refere que a divulgação das listas de colocação de professores ocorre "dentro do calendário previsto, a duas semanas do início das aulas", permitindo assegurar "a normalidade no arranque do ano letivo".

As listas foram publicadas no portal da Direção-Geral da Administração Escolar.

Este ano realizaram-se sete concursos: concurso interno antecipado, concurso externo ordinário, concurso externo extraordinário, concursos interno e externo do ensino artístico, mobilidade interna e contratação inicial.

Segundo o Ministério da Educação, foram vinculados cerca de 3.500 professores, a que se somam cerca de 3.500 docentes que vincularam em 2017, "o que representa um número de vinculações sem precedentes".

No concurso de mobilidade interna foram distribuídos perto de 14.000 horários a professores do quadro (cerca de 11.000 em horários completos e cerca de 3.000 em horários incompletos).

Na contratação inicial ficaram colocados perto de 6.000 docentes contratados, dos quais cerca de 3.000 em horários completos.

A tutela realça que, no cumprimento da lei, "foram distribuídos horários completos e horários incompletos na mobilidade interna aos professores do quadro", pelo que terão de ser contratados "cerca de 3.000 docentes externos para ocupar horários completos, apesar de terem vinculado aos quadros 7.000 professores nos últimos dois anos".

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta quinta-feira, uma greve e uma manifestação nacional para outubro.

Na primeira conferência de imprensa após as férias, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, explicou que a manifestação será a 5 de outubro, com a greve a acontecer em data a acordar com outras estruturas sindicais, com as quais se reúne já na sexta-feira.

[notícia atualizada às 19h48]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    31 ago, 2018 Coimbra 15:18
    É uma vergonha, de só agora, saírem as listas das colocações. Mas isto revela a total incompetência dos funcionários e quadros do MEC, bem como nos restantes Ministérios, porque estes gajos dos serviços centrais, julgam ser mais que os outros. Muitos dos quadros e pessoal em geral, nem para varredores de ruas servem, porque são uns parasitas. Os culpados são os pseudo-ministros, que temos no governo. Esta gente desenvergonhada, não pensou, que os professores, têm de arranjar alojamento e resolver a vida da família. Esta situação é vergonhosa e deveria levar à demissão dos responsáveis e do próprio ministro.