Tempo
|
A+ / A-

Diretores querem professores sem dar aulas depois dos 60 anos

29 ago, 2018 - 13:09

A proposta resulta de um inquérito realizado pela Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas. “Esta é uma profissão altamente desgastante e há necessidade de rejuvenescimento do corpo docente."

A+ / A-

Os diretores das escolas públicas querem que os professores sejam dispensados de dar aulas a partir dos 60 anos, caso esta seja a sua vontade. Os docentes nestas circunstâncias passariam a dar apoio aos colegas em início de carreira.

De acordo com o Jornal de Notícias, esta é uma das propostas que sai de um inquérito realizado pela Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP).

“Entendemos que esta profissão é uma profissão altamente desgastante e que necessita de um rejuvenescimento do corpo docente”, argumenta Filinto Lima, presidente da ANDAEP, ouvido pela Renascença.

“Já ouvi o ministro da Educação falar, várias vezes, da necessidade de rejuvenescer o corpo docente. Temos menos de 1% de professores com 30 anos ou menos”, acrescenta o presidente da associação, que entende que a ideia tem de ser agora discutida com os ministérios da Educação e das Finanças.

“Hoje em dia, os professores trabalham muito mais do que as 35 horas semanais que estão no seu horário. Mas bastante mais. Sendo reconhecido que esta profissão é altamente desgastante, penso que poderia ser posto à consideração esta hipótese”, acrescenta Lima.

Questionado pela Renascença sobre se esta medida não criaria uma situação de desigualdade perante outros profissionais, Filinto Lima entende que “isto terá de ser estudado num âmbito geral”.

Para além desta proposta, os diretores estão ainda preocupados com a falta de assistentes técnicos e operacionais, computadores obsoletos, internet fraca, multiplicidade de plataformas do Ministério da Educação que consomem demasiado tempo e a insegurança em relação ao processo de descentralização.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    30 ago, 2018 10:35
    Ficam a coçar a micose uns aos outros e o país a pagar!!!!!
  • Cavalo de Tróia
    29 ago, 2018 Lisboa 19:24
    Qual rejuvenescimento, qual apoio aos colegas mais novos, qual quê, qual carapuça. Querem é substituir os assistentes, sejam técnicos sejam operacionais, os administrativos e todo o pessoal que puderem, por esses professores, que organizarão uma especie de ATL interno para ocupar os bambinos durante as férias escolares, e acompanharem e responsabilizarem-se por eles em idas à praia e quejandos... Se estivessem mesmo preocupados com o rejuvenescimento do corpo docente, permitiriam a reforma sem cortes aos 40 anos de carreira, as turmas com menos alunos e abririam os concursos para aquele pessoal que dá aulas há 15 anos ou mais e é sempre precário, poder entrar. Desconfiem dos Gregos que trazem presentes ...
  • joao almeida
    29 ago, 2018 Aveiro 17:59
    Gostava de saber o que é que o jornalista que entrevistou este senhor no noticiário do meio dia em contra os professores porque tentou meter na conversa que esta ideia ia beneficiar a classe e era descriminatória ....talvez não acredite que a profissão de professor tem grande desgaste ..não é o mesmo falar para um micro e entrevistar uma pessoa ...os professores " têm que trabalhar com 24-30 alunos em cada aula....pois
  • Anónimo
    29 ago, 2018 16:58
    Com tanto professor no desemprego, fazia muito mais sentido se simplesmente dessem a reforma aos 60 anos. Estou farto de governos anti-professores, quer sejam do PS ou do PSD! Esses políticos não têm o meu voto e deviam ser obrigados a voltar para a escola!