Tempo
|
A+ / A-

Judiciária confirma sinais de violência na morte de triatleta

28 ago, 2018 - 14:24

A investigação está em curso com vista a apurar as circunstâncias e o autor ou autores do homicídio de Luís Grilo.

A+ / A-

Veja também:


O triatleta de Vila Franca de Xira, que estava desaparecido há mais de um mês, foi encontrado morto no concelho de Avis, distrito de Portalegre, com sinais de violência, disse esta terça-feira à agência Lusa fonte da Polícia Judiciária.

O corpo de Luís Grilo, de 50 anos, residente na localidade das Cachoeiras, no concelho de Vila Franca de Xira, foi encontrado na manhã da última sexta-feira, em adiantado estado de decomposição, no concelho de Avis, distrito de Portalegre, a mais de 130 quilómetros da sua casa.

Fonte da Polícia Judiciária (PJ) confirmou esta terça-feira que o corpo é o do triatleta, que terá sido morto "com a intervenção de terceiros", acrescentando a mesma fonte da PJ que a investigação está em curso com vista a apurar as circunstâncias e o autor ou autores do homicídio.

O cadáver foi encontrado ao início da manhã de sexta-feira perto de Alcôrrego, num caminho de terra batida, junto à Estrada Municipal 1070, por um popular que fazia uma caminhada na zona e que alertou o posto de Avis da GNR para esta ocorrência.

Luís Grilo desapareceu a 16 de julho sem deixar rasto depois de sair para um treino de bicicleta.

O seu telemóvel foi encontrado nos Casais da Marmeleira, a seis quilómetros de casa, já no concelho de Alenquer.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    28 ago, 2018 évora 15:02
    Foi gente ou que residia nessa zona ou que conhecia bem a zona ou pessoa que sabia que ele frequentava essa zona devido a laços familiares e treinos e o foi lá deixar para disfarçar ou baralhar provas . Uma coisa é certa , é alguem que o conhecia muito bem e todos os seus passos ... se ele tinha gps onde gravava os percursos de bicicleta vs a velocidade média , basta introduzirem os dados do telefone em programa próprio e daí analisarem ao pormenor todo o percurso último e onde se deu a paragem ou mudança de percurso vs velocidade . É um dado que pode mostrar onde ocorreu a mudança na vida dele . Depois , a PJ basta analisar e filtrar desde a data do desaparecimento até ao dia do encontrar do corpo , todos os telemóveis que se registaram na rede no local onde foi encontrado o corpo . Sendo uma zona deserta de pessoas ... existir aí um telefone ativo é meio caminho andado para saberem quem meteu lá o corpo ou melhor ; quem o matou !