|
A+ / A-

Cheque-dentista nas prisões pode facilitar reintegração, defende diretor dos Serviços Prisionais

22 ago, 2018 - 15:39 • Catarina Santos

Reclusos com graves problemas dentários “dificilmente causam boa impressão numa entrevista de emprego”, sublinha Celso Manata. Governo quer iniciar experiência-piloto nas prisões em 2019.

A+ / A-

Os ministérios da Justiça e da Saúde estão a negociar a criação de um cheque-dentista para reclusos, para alargar os cuidados de saúde oral que estão disponíveis nas prisões. O diretor-geral dos Serviços Prisionais, Celso Manata, aplaude a iniciativa.

Em declarações à Renascença, Celso Manata explica que o cheque-dentista permitiria assegurar tratamentos mais avançados e melhorar as hipóteses de reintegração dos detidos.

“Não há dúvida que uma pessoa que não tem a sua saúde oral tratada mais dificilmente causa boa impressão numa entrevista de emprego. No domínio da saúde oral, temos um mínimo que é assegurado, mas queremos mais.”

Na prisão feminina de Tires, por exemplo, já existe um serviço prestado por dentistas, que se deslocam ao local duas vezes por semana, mas os serviços prestados são limitados e não incluem, por exemplo, colocação e manutenção de próteses dentárias.

“Como acontece consigo e comigo, o Serviço Nacional de Saúde normalmente não dá próteses e, portanto, nós temos que as comprar. Mas nós temos o nosso vencimento e as presas não têm”, lembra o diretor-geral dos Serviços Prisionais. “É aqui que pode entrar o cheque-dentário e um apoio mais substancial, da parte do Ministério da Saúde, pelo menos àquelas pessoas mais carenciadas ou que não têm hipótese de trabalhar.”

A solução a aplicar nos estabelecimentos prisionais está a ser estudada pelos gabinetes do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, e da secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos, e visa apoiar os reclusos, “uma população vulnerável, com necessidades específicas”, adianta o Ministério da Saúde numa resposta à agência Lusa a propósito dos dez anos do programa cheque-dentista.

O Governo quer que uma experiência-piloto comece a chegar às prisões portuguesas no início de 2019.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Na
    22 ago, 2018 Da 21:01
    Com tantas mordomias os presos já não querem voltar cá para fora! Viva o luxo do governo estalinista!