|
A+ / A-

CP. Redução de comboios na linha de Cascais vigora entre agosto e setembro

26 jul, 2018 - 07:12

A partir de 5 de agosto há menos ligações na linha de Cascais. Fonte do governo garante que os horários serão repostos a 9 de setembro.

A+ / A-

A redução do número de comboios na linha de Cascais, a partir de 5 de agosto, é "ligeira" e "sazonal", defende o Governo, adiantando que os horários serão repostos a 9 de setembro.

À agência Lusa, fonte do gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas adiantou que a partir de 5 de agosto "entra em vigor um horário de verão, com uma ligeira redução da oferta", ou seja, um "horário sazonal, como é prática corrente no setor dos transportes".

Numa consulta aos horários da linha de Cascais disponíveis no site da CP - Comboios de Portugal, é possível constatar que a partir daquela data os comboios deixam de circular de 12 em 12 minutos em hora de ponta, passando para uma frequência de 15 em 15 minutos.

"Em 9 de setembro serão repostos os horários atualmente em vigor", garantiu a mesma fonte.

O Ministério do Planeamento e das Infraestruturas adianta ainda que a 5 de agosto entram igualmente em vigor "outros horários sazonais em diversas linhas da CP", sem especificar quais.

Em relação a estas não é indicada uma data exata para a reposição dos horários atualmente em vigor, sendo garantida apenas a sua reposição nos meses de "setembro/outubro".

Na quarta-feira, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas reconheceu a existência de "perturbações" em algumas linhas da CP e avançou que, no caso da linha de Cascais, os horários a suprimir no verão serão repostos no início de setembro, não tendo, no entanto, indicado datas.

"Há perturbações, com certeza que sim, não vale a pena dizer que não, temo-las na linha do Oeste, temo-las aqui na linha do Algarve, ou temos na linha do Norte, por razões diferentes", reconheceu Pedro Marques, em Olhão, no âmbito de uma visita à região para assinalar a conclusão de um conjunto de obras de emergência realizadas na Estrada Nacional (EN) 125.

O governante explicou que as perturbações nas linhas que ainda estão a funcionar a diesel estão relacionadas com o desgaste do material circulante, estando previsto o aluguer de mais material circulante a diesel e, no futuro, a aquisição de material bimodo, que serve tanto para as linhas eletrificadas como para as linhas a diesel.

O vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo acusou na terça-feira o Governo de “desbaratar dinheiro a pensar já nas próximas eleições” e de deixar degradar “serviços essenciais” como o do setor dos transportes.

Na semana passada, uma comitiva de deputados socialistas que pretendia viajar de comboio entre as Caldas da Rainha e Lisboa, para exigir soluções para a linha do Oeste, viu-se forçada a fazer o percurso de carro, uma vez que o comboio em que pretendiam viajar foi suprimido.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ana
    07 ago, 2018 Carcavelos 01:48
    Pois é, faz todo o sentido reduzir a frequência dos comboios de uma linha que faz paragens em pontos de altíssima afluência turística, ao pé do mar e não só, agora nos meses do verão, não faz? É que mesmo às 21 horas havia hoje no comboio Cascais-Cais do Sodré inúmeros passageiros a viajar em pé ou sentados no chão das carruagens. É uma vergonha o que fazem, e ainda mais vergonhoso é o facto de tentarem enganar às pessoas com um discurso a todas luzes falaz...