Tempo
|
A+ / A-

Energias renováveis cresceram em 2017, mas consumo de carvão também aumentou

10 jul, 2018 - 17:19

O relatório anual da BP sobre consumo de energia comporta boas e más notícias para o ambiente.

A+ / A-

O consumo de energias renováveis aumentou em 2017, mas o consumo de combustíveis fósseis também, levando a um aumento das emissões de carbono.

É feita de boas e más notícias para o ambiente, o relatório anual publicado pela BP sobre o consumo mundial de energia. Na edição do BP Statistical Review of World Energy, apresentado em Lisboa esta terça-feira, pode ler-se que o mundo está a consumir mais energia, de forma geral.

Em 2017 registou-se um aumento de 2,2% no consumo energético, o maior desde 2013. A maior parte desse aumento vem de países em desenvolvimento e só a China é responsável por uma terça parte.

Em larga medida a subida assenta em energias limpas e renováveis, como o gás natural e a energia solar, eólica e hidráulica. Segundo os dados apresentados pela BP, o aumento de consumo do gás natural só é comparável a 2010 e deve-se sobretudo à China, ao Médio Oriente e à Europa. Nos Estados Unidos, pelo contrário, o consumo de gás natural diminuiu.

Já as renováveis aumentaram 17%, superando a média da última década.

A má notícia é, sobretudo, o aumento do consumo de combustíveis fósseis, nomeadamente do carvão. Trata-se de um aumento marginal, de apenas 1%, mas é a primeira vez que tal acontece desde 2013. O principal responsável, segundo a BP, foi a Índia, mas a China também contribuiu para o valor.

Também se registou um crescimento no consumo de petróleo, na casa dos 1,8% e acima da média de 1,2% da última década.

É assim que se explica que as emissões de carbono tenham aumentado, depois de um período de estagnação ao longo dos últimos três anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.