|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Transferência de grávidas entre maternidades sempre aconteceu, diz administração

07 jul, 2018 - 21:37

Presidente do Centro Hospitalar Lisboa Central reage assim às acusações do presidente da secção regional do Sul da Ordem dos Médicos, que denunciou transferência de grávidas a meio de trabalho de parto na Maternidade Alfredo da Costa.

A+ / A-

A presidente do Centro Hospitalar Lisboa Central, que gere a Maternidae Alfredo da Costa, entre outras unidades,defendeu que a transferência de grávidas entre maternidades é excecional, mas sempre se fez e sempre na máxima segurança.

"É desta maneira que funciona, que funciona há muito tempo, que funciona bem e que dá resposta a todas as pessoas", disse à Lusa a presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar, Ana Escoval.

E acrescentou: "As equipas procuram sempre dar o seu melhor. Quando há uma transferência ou transporte pelo INEM é sempre em condições de máxima segurança. É importante que a população saiba isto, não podemos contribuir para alarmes sociais".

Ana Escoval reage assim às declarações à Renascença do presidente da secção regional do Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Lourenço, segundo o qual o encerramento de salas de parto na Maternidade Alfredo da Costa está a levar à transferência de grávidas a meio de trabalho de parto para outras maternidades.

Segundo o responsável está a assistir-se a uma "falência completa do Centro Hospitalar Lisboa Central".

Questionada pela Lusa, Ana Escoval explicou que a Maternidade Alfredo da Costa não recebe todos os dias o mesmo número de partos mas, se houver um grande número, pode haver transferências, o que acontece de resto com os outros hospitais também.

Se for necessário, "para garantir a qualidade e a segurança da mulher, as equipas solicitam ao INEM que a leve para outras maternidades", disse, explicando que é normal e que criar alarme social com a situação é mau, especialmente com mulheres grávidas, que precisam de tranquilidade e de saber que a maternidade para onde se vai dirigir "a vai receber em segurança".

Ana Escoval explicou também que na Alfredo da Costa, ou noutros locais, só em "casos muito excecionais" se pede ajuda a outros hospitais, e disse que as equipas desta área são das que mais interagem e cooperam. "Há espírito de entreajuda para todas as situações", disse.

A presidente disse que a Alfredo da Costa está com as camas quase cheias, mas que tal também acontece com outros hospitais, o que "não impede" que se procure "dar às pessoas o máximo de segurança e evitar qualquer tipo de transferência".

E quanto à "falência" negou que ela exista e disse que, mesmo em período de férias, se procura um mínimo aceitável de equipas médicas, reiterando que não é justo que se faça "alarme social" com uma situação que é normal e sempre existiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.