A+ / A-
Maternidade Alfredo da Costa

Grávidas em trabalho de parto transferidas por encerramento de salas

07 jul, 2018 - 16:10

Encerramento de salas de parto na Maternidade Alfredo da Costa leva à transferência de grávidas a meio de trabalho de parto para outras maternidades.
A+ / A-

O encerramento de salas de parto na Alfredo da Costa está já a levar à transferência de grávidas a meio de trabalho de parto para outras maternidades, denunciou este sábado o presidente da secção regional do Sul da Ordem dos Médicos.

"Normalmente são mulheres em inicio de trabalho de parto, com as crianças a nascer dentro de três, quatro, cinco horas. E eles contactam as outras maternidades e transferem por ambulância em inicío de trabalho de parto", explicou à Renascença Alexandre Valentim Lourenço.

O responsável considera que se está a assistir a uma "falência completa do Centro Hospitalar de Lisboa Central", onde está integrada a Maternidade Alfredo da Costa. Na sexta-feira, demitiram-se os chefes de medicina interna e cirurgia geral daquele Centro Hospitalar devido às condições da urgência do hospital de São José.

Alexandre Valentim Lourenço, que é também obstetra, lembra que, fechando salas e camas na maternidade, é necessário transferir doentes "no meio de um trabalho de parto", desviando as grávidas para outros hospitais. "Por si só, esses hospitais já têm dificuldades de funcionamento nesta altura", explicou.

Na sexta-feira, a bastonária dos Enfermeiros denunciou que a Maternidade Alfredo da Costa teve de encerrar três salas de parto dada a falta de pessoal para suprir a passagem às 35 horas de trabalho de profissionais de saúde. Ana Rita Cavaco revelou que a Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, além de encerrar três salas de parto, reduziu o número de enfermeiros por turno, "o que não dá segurança às pessoas".

A representante dos enfermeiros relata que todos os dias tem conhecimento de "encerramento de camas e fecho de alguns serviços", fruto do que os profissionais têm considerado como a falta de planeamento adequado com a passagem, a 1 de julho, às 35 horas de trabalho semanais por parte de milhares de profissionais de saúde.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.