A+ / A-

​CDS diz que contratação de profissionais de saúde parece livro de "Onde está o Wally?"

04 jul, 2018 - 12:57

Ministro da Saúde foi confrontado com a necessidade de contratar mais profissionais para suprir as necessidades com a passagem às 35 horas de trabalho de enfermeiros, técnicos e assistentes.

A+ / A-

O CDS exigiu esta quarta-feira saber onde estão e quem são os profissionais de saúde que o Governo diz que tem contratado, comparando a realidade nos serviços de saúde com os livros "Onde está o Wally?".

Durante a audição do ministro da Saúde, no Parlamento, a deputada do CDS Isabel Galriça Neto insistiu várias vezes no tema das contratações de recursos humanos na saúde, vincando que o Ministério tem apresentado números diferentes consoante a situação.

"O que temos vindo a assistir é a que, em alturas distintas ao longo do ano, são anunciados números diferentes. O que pergunto é onde estão e quem são esses profissionais", declarou Isabel Galriça Neto.

"O Wally continua por encontrar. [O ministro da Saúde] deixa-nos a alegoria de 'Onde está o Wally?'", ironizou a deputada, referindo-se aos livros de banda desenhada que desafiam os leitores a encontrar o boneco "Wally".

Para o CDS, a realidade mostra que "não há profissionais em número suficiente, indicando que os próprios conselhos de administração dos hospitais "não sabem onde estão os profissionais" que o Governo tem referido como contratados.

Segundo o ministério, em comparação com o início da legislatura há mais cerca de 8.000 profissionais no Serviço Nacional de Saúde (SNS), com o ministro a referir hoje que, até ao final do ano, o número chegará a cerca de 10 mil profissionais adicionais.

A deputada do CDS refere que nas várias visitas feitas aos hospitais, as administrações têm referido a falta de recursos humanos e a ausência de autorizações para realizar contratações.

"Há uma dissonância entre o discurso e aquilo que a realidade revela", conclui.

Na audição parlamentar, o ministro tem sido confrontado com a necessidade de contratar mais profissionais para suprir as necessidades com a passagem às 35 horas de trabalho de enfermeiros, técnicos e assistentes no Serviço Nacional de Saúde.

Os deputados do PCP, BE, PSD e CDS consideram claramente insuficiente os 2.000 profissionais que o Ministério contratará a partir deste mês, estimando que sejam precisos pelo menos 5.000 profissionais só para colmatar a passagem das 40 para as 35 horas de trabalho semanais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    04 jul, 2018 15:01
    O CDS é mais eucaliptos...