|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Um físico, um linguista e jovens promessas. Fomos ao fundo para descobrir como se faz uma trivela

29 jun, 2018 - 17:00 • Redação

O gesto e a palavra intrigam. "Faz um arco fixe", ouve-se no relvado. E, por muitas explicações que se busquem, a chave está sempre no talento, que não é para todos.

A+ / A-
Um físico, um linguista e jovens promessas. Fomos ao fundo para descobrir como se faz uma trivela
Um físico, um linguista e jovens promessas. Fomos ao fundo para descobrir como se faz uma trivela

Se Ricardo Quaresma entrar em campo frente ao Uruguai, pelos lares, ruas e cafés de Portugal, é bem provável que se grite: “Chuta de trivela!”. O “Harry Potter” da seleção já nos explicou em campo que trivelas é com ele. Mas sabemos ao certo que magia é esta que o número 20 da seleção nacional faz?

“Não há nada que se passe no jogo de futebol que a física não consiga explicar. É um ramo da física antigo, chamado mecânica, e foi estabelecido por Galileu e por Newton. O movimento da bola é dado pelas leis da mecânica”, sentencia Carlos Fiolhais, físico, que explica à Renascença a mecânica por detrás da trivela.

Num remate normal, há muitas forças em jogo: à força que o jogador imprime na bola, junta-se a da gravidade, que puxa a bola para o chão, a resistência do ar, que faz com que a bola perca um pouco de velocidade, e ainda o efeito de Bernoulli - o mesmo que mantém os aviões no ar -, que resulta da passagem do ar pela bola e que a empurra ligeiramente para cima.

A equação é, contudo, mais complexa quando se trata da trivela. “Quando a bola está a girar, há outra componente curiosa: o efeito Magnus. É isto que permite explicar o pontapé que o Quaresma deu na bola para marcar o último golo no mundial de futebol", sustenta o professor da Universidade de Coimbra.

O efeito giratório, somado às costuras da bola, arrasta o ar em diferentes direções: de um lado, a bola está a empurrar o ar contra o movimento, e no outro, está a empurrar o ar a favor do movimento. A bola muda de trajetória em pleno voo e trai o guarda-redes. Está feito um golo de trivela.

“Em câmara lenta, no golo do Quaresma, a bola parece que até vai para o poste, para o canto mais afastado do guarda-redes. Mas quando parece que vai ao canto ou até parece que vai sair, a bola encurva para a direita e vai entrar no canto superior direito. Ele já fez isto várias vezes, ele é especialista neste tipo de jogadas”, completa Fiolhais.

"É um golo épico!" A magia de Quaresma no relato da Renascença
"É um golo épico!" A magia de Quaresma no relato da Renascença

A origem obscura do termo "trivela"

Trivela. Substantivo feminino. No dicionário online Priberam, a palavra é descrita como um “pontapé dado na bola com a parte exterior do pé, para criar um efeito de rotação à bola.”

A definição coincide com a explicação do físico Carlos Fiolhais, mas a origem desta palavra perde-se no tempo. Apesar de a explicação mais comum falar do uso de três dedos exteriores para pontapear a bola, para Salvato Trigo, linguista, esta não é a mais verosímil. "A explicação que me parece mais plausível para a utilização da palavra 'trivela' é relacioná-la diretamente com tri-velocidade. 'Trivela' seria uma espécie de acrónimo de trivelocidade, um fenómeno da física”, explica o especialista, que é reitor da Universidade Fernando Pessoa.

O contributo de Magnus não é esquecido na justificação linguística de Salvato Trigo: "Eu julgo que a explicação mais plausível, que, aliás, o professor João Paulo Vilas Boas, da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, terá aventado, referindo-se ao lance de Quaresma, é que o pontapé era pura física, chamado o pontapé de efeito de Magnus”.

"Julgo que será relativamente difícil encontrar uma origem etimológica para uma palavra como 'trivela', que apenas surge na língua portuguesa durante o século XX e ligada ao fenómeno desportivo. A palavra terá surgido nas décadas de 60 e 70, porque terá sido um jogador brasileiro, chamado Rivellino, o autor do primeiro pontapé de trivela”, remata Salvato Trigo.

Fiolhais mostra-se cético sobre a origem científica do termo. “A designação é popular” e, por isso, para o físico da Universidade de Coimbra, será muito difícil saber ao certo de onde veio. “Não é muito antiga, talvez seja de origem brasileira”, arrisca o professor universitário, que lembra que ingleses e alemães usam outras expressões para designar este remate.

Pode um físico ensinar a marcar trivelas?

Na hora do remate, Ricardo Quaresma e os outros ases da trivela sabem o que fazer: rematar de lado, com a parte de fora da bota, para imprimir efeito ao remate e trair o guarda-redes. Mas precisam de saber as forças e os vetores por detrás do remate? Para Fiolhais, a resposta é simples: não.

“Eu não perderia tempo a ensinar ao Quaresma as equações. Acho que os físicos podem muita coisa, mas não podem tudo. Os físicos sabem mais explicar. Pode ajudar a garantir e explicar a mecânica das jogadas. Mas não penso que isso seja muito útil”, diz Fiolhais, ele próprio um amante de futebol.

Por muitas explicações que se dê, a execução é muito difícil. A Renascença comprovou isso na visita ao AD Constance, um clube de formação de Marco de Canaveses, em que jovens estrelas tentaram imitar o craque que admiram.

"É muito difícil chutar, mas faz um arco fixe", foi a linguagem técnica utilizada por um dos executantes. A sessºao de treino foi mais fácil para Bruno, o guarda-redes, que defendeu a maior parte dos remates dos companheiros de equipa.

Paulo Sousa, um dos técnicos do AD Constance, reconhece que os miúdos tentam copiar os seus ídolos, "até nas chuteiras", e a trivela não é exceção. "Os miúdos têm essa referência e vão tentando. Alguns deles chegarão lá, mas é um gesto técnico difícil. Não há ninguém que o consiga fazer como o Quaresma faz. É um gesto técnico que não é para qualquer um", assume o treinador, que no próximo jogo, depois da sessão de testes realizada, espera ver uma série de trivelas em campo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.