|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Aquarius. Da “honra” à “vergonha”

17 jun, 2018 - 16:40 • Catarina Santos , em Valência

Voluntários do barco agradeceram a Espanha o acolhimento, mas lamentaram a viagem desnecessária a que tiveram de expor centenas de pessoas já fragilizadas.

A+ / A-
Peça de Catarina Santos, enviada a Valência, com tripulantes do Aquarius
Peça de Catarina Santos, enviada a Valência, com tripulantes do Aquarius

Está concluído o desembarque dos migrantes que estavam no terceiro e último navio que aportou em Valência, Espanha.

As equipas de resgate deram uma conferência de imprensa para, apesar de cansados, repetirem palavras como “honra”, “orgulho” e “gratidão” quando descreveram a missão que os levou a salvar os 623 refugiados.

Aproveitaram também para lembrar palavras como “vergonha” e “falta de humanidade” quando se referiram à decisão de Itália e Malta que proibiram o “Aquarius” de atracar nos seus portos, o que prolongou o sofrimento das pessoas durante 10 dias.

Os voluntários lembraram ainda o “Aquarius” opera no Mediterrâneo desde 2015 e que já salvou quase 30 mil pessoas.

Alyons Vimard, dos Médicos sem Fronteiras, sublinhava a dificuldade de lidar com a ansiedade a bordo. De cada vez que viam terra, centenas de pessoas perguntavam se era para ali que iriam. Aconteceu quando passaram a Sicília, a Sardenha e na costa de França.

David Beverlius, médico no “Aquarius”, conta que nas centenas de consultas que deram a bordo, o mais difícil foi lidar com as histórias que os pacientes partilhavam, incluindo histórias horríveis de violações na Líbia.

A vice-presidente da SOS Mediterranee frisou que a inação da Europa nesta matéria é "criminosa". A co-fundadora da ONG criticou sobretudo os acordos feitos entre Itália e a Líbia, com o apoio da UE, sustentando que a guarda-costeira líbia não respeita os direitos humanos de migrantes e refugiados. Sobre o futuro do Aquarius não há ainda certezas. É preciso descansar uns dias e avaliar, acrescentou.

Os migrantes e refugiados vêm de 31 países, sobretudo do Sudão, Argélia, Eritreia e Nigéria. Foram todos assistidos, entrevistados e encaminhados para centros de acolhimento temporário em Espanha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    21 jun, 2018 18:02
    QQQ acredita em teorias da conspiração anti-semitas.
  • Qqq
    17 jun, 2018 Lisboa 20:32
    A vergonha é a Europa ter-se demitido das suas responsabilidades na Africa sub-Sahariana. E quando intervem, é para deixar países estáveis mais pobres do que antes, olhem para a Líbia. Imigração em massa como alguns preconizam é que não é solução.