Tempo
|
A+ / A-

Educação

Ministro desafia sindicatos a negociar. “Todos perdem com esta beligerância”

22 jun, 2018 - 09:01

No dia em que termina o ano letivo, Tiago Brandão Rodrigues esteve na Manhã da Renascença. Não admite que qualquer aluno fique só com a nota do exame para se candidatar ao ensino superior por causa da greve dos professores.

A+ / A-
Ministro desafia sindicatos a negociar. “Todos perdem com esta beligerância”
Ministro desafia sindicatos a negociar. “Todos perdem com esta beligerância”

Veja também:


O ministro da Educação desafia os sindicatos de professores a regressar à mesa das negociações e não deitar fora o que já foi conseguido em processo negocial.

“Ninguém ganha com a beligerância e todos perdem com esta beligerância”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues, esta sexta-feira, na Manhã da Renascença.

O ministro garante que o Governo valoriza a carreira docente e que já deu um passo nas negociações do início do ano – passo esse que os sindicatos não aceitam. “Depois de termos dado um passo, os sindicatos não se moveram das posições iniciais”, critica.

Sem prometer recuperar todo o tempo de serviço dos professores, que esteve congelado durante cerca de nove anos, Tiago Brandão Rodrigues reafirma “que existe o que negociar e vontade de negociar, mas para isso é preciso duas partes que possam ser transigentes”.

Realçando que “é importante nunca pôr em causa o direito à greve”, o governante coloca a “tónica no direito à educação e à continuidade do processo pedagógico dos nossos alunos”.

Nesse sentido, afirma respeitar “muito o conselho de turma como órgão pedagógico por excelência” e esperar, por isso, “que o colégio arbitral possa decidir” no sentido de haver serviços mínimos.

No que diz respeito aos efeitos que a greve às avaliações poderá ter para os alunos, Tiago Brandão Rodrigues prefere não comentar, mas diz não admitir que qualquer um fique só com a nota do exame para se candidatar ao ensino superior.

“Isso seria absolutamente irresponsável e não está neste momento em cima da mesa”, afirma.

Os professores estão em greve desde o início de junho. Exigem que o Governo reponha os nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço das carreiras dos docentes que estão congelados desde 2005 e criticam aquilo que consideram ser uma injustiça feita à classe face a outras cuja progressão nas carreiras foi entretanto reposta.

Se não houver acordo, as paralisações podem prolongar-se até outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    26 jun, 2018 Lisboa 14:43
    Claro que os Sindicatos regressam à mesa de negociações... Quando houver negociações ou seja, a contagem integral do tempo de serviço, mas negociando o faseamento desses efeitos - desde que esse faseamento não dure 50 anos, obviamente - e sem retroativos que isso nunca esteve em cima da mesa, só na boca dos intoxicadores habituais da opinião publica como o Miguel Sousa Tavares e outros do género, que por não terem contraditório mandam cá para fora chorrilhos de mentiras. Agora cenas do género "ou aceitam 3 anos ou não levam nada" vão eternizar a greve e não é com "notas de esclarecimentos" a pressionar os Diretores a cometer ilegalidades, que o governo consegue resolver a situação.
  • 23 jun, 2018 aldeia 10:37
    Este ministro está a ajudar o PS perder muitos milhares de votos......
  • Manuel
    22 jun, 2018 Maia 11:25
    A educação (ensino) começa quando olhamos para os exemplos Pátrios. Os governos são a imagem do país. A não contagem de tempo, se devida, é um roubo. Trabalhei 43 anos na mesma empresa.
  • Petervlg
    22 jun, 2018 Trofa 11:12
    e se fosse a si, ficava satisfeito se não lhe conta-se o seu tempo de serviço, do seu trabalho efectuado?
  • 22 jun, 2018 10:32
    8 anos de passos s coelho na grecia deve ser assim uma coisa terrivel!
  • Silva
    22 jun, 2018 lisboa 10:14
    É uma greve pela justiça da contagem do tempo de serviço,pena que o PS não ache justo a contagem de todo o tempo de serviço,irá ver o resultado nas eleições se persistir com esta atitude.