Tempo
|
A+ / A-

“Mamã! Papá!” Crianças desesperadas chamam pelos pais na fronteira dos EUA

19 jun, 2018 - 09:13

Gravação áudio revela o desespero dos menores ao serem separados dos pais na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

A+ / A-

“Mamã! Papá”, gritam várias crianças, entre soluços, depois de terem sido separadas dos pais na fronteira com os Estados Unidos. A gravação áudio foi divulgada na segunda-feira pelo ProPublica, um site de notícias não lucrativo norte-americano.

O áudio foi entregue à advogada de direitos humanos Jennifer Harbury, que depois o fez chegar à redação daquela ONG.

São cerca de uma dezena de crianças da América Central que tentavam entrar nos Estados Unidos com os pais e acabaram detidos pela polícia fronteiriça.

Enquanto os menores choram é possível ouvir um agente da polícia a fazer piadas: “Bem, parece que temos uma orquestra aqui. Só falta o maestro”.

Depois, uma menina de seis anos, Alison, proveniente de El Salvador, pede repetidamente que alguém chame a sua tia. A criança implora, dizendo que memorizou o número de telefone. “A minha mãe diz que eu vou com a minha tia e que ela me vem buscar o mais rápido possível”, diz a menina a um representante consular, já no final do áudio.

A gravação foi feita na semana passada, num centro de detenção norte-americano, por uma pessoa que pediu para não ser identificada com receio de retaliações. Segundo essa testemunha, as crianças teriam entre 4 e 10 anos e estariam no centro há menos de 24 horas. Os oficiais do consulado terão tentado consolar os menores com rebuçados e brinquedos, mas sem grande sucesso.

A ProPublica falou com a tia da criança de El Salvador, que chegou a receber a chamada da menina. “Foi o momento mais difícil da minha vida. Imagine receber uma chamada da sua sobrinha de seis anos. Ela estava a chorar e a implorar-me que fosse buscá-la. Ela dizia ‘prometo que me vou portar bem, mas tira-me daqui, estou sozinha’."

Contudo, não pôde fazer nada por Alison, uma vez que ela própria e a filha estão à espera de uma resposta ao pedido de asilo aos Estados Unidos. Há dois anos, fugiram de El Salvador devido à insegurança provocada pelos gangues e seguiram a mesma rota que agora a sua irmã e sobrinha fizeram.

A tia já conseguiu falar por telefone com ambas, que estão em centros separados e não foram autorizadas a falar uma com a outra.

À ProPublica contou ainda que a irmã e a sobrinha fugiram para os Estados Unidos há um mês e terão pago cerca de sete mil dólares a um traficante que as levou pela Guatemala e México até atravessarem a fronteira norte-americana.

Este áudio, de quase oito minutos, é revelado numa altura em que a administração Trump está a ser criticada pela política de tolerância zero aos imigrantes clandestinos, nomeadamente por estar a separar as famílias.

Desde abril, mais de 2.300 crianças foram separadas dos pais. As crianças são mantidas em jaulas, dentro de salas cujas as luzes estão acesas o dia inteiro e onde existem casas de banho portáteis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Abreu
    19 jun, 2018 17:41
    E são estes "camones" que estão sempre a "encher a boca" com a história dos Direitos Humanos! Por saberem o que são capazes de fazer é que eles não querem estar sujeitos à jurisdição do Tribunal Internacional dos Direitos do Homem.
  • Anónimo
    19 jun, 2018 16:21
    Trump deveria ser julgado por crimes contra a humanidade! E a escumalha que ainda o defende devia ser internada!
  • António C. Rodrigo
    19 jun, 2018 Viseu 13:45
    Isto é a trampa da direita que temos no mundo e tão defendida é pelos órgãos de informação ligados ao capitalismo e à igreja.
  • Vasco
    19 jun, 2018 Viseu 12:13
    Salvo o erro , em Auschwitz também procediam da mesma forma, ou será que estou a fazer confusão.