|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sporting

Marta Soares: "Eu não abri nenhum ato eleitoral"

07 jun, 2018 - 23:39

O presidente demissionário da mesa da Assembleia Geral do Sporting critica o processo eleitoral que está a ser liderado pela Comissão Transitória, nomeada por Bruno de Carvalho.

A+ / A-

O presidente demissionário da mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting, Jaime Marta Soares, classificou, esta quinta-feira, de "uma ilegalidade" o processo eleitoral que está a ser levado a cabo pela Comissão Transitória de MAG (CTMAG), nomeada pela direção do presidente do clube, Bruno de Carvalho, para substituir a mesa eleita.

"Eu não abri nenhum ato eleitoral, e não podia receber candidaturas, porque só eu é que, efetivamente, tenho competência para isso. Não vou comentar ilegalidades", afirmou Marta Soares, à agência Lusa.

Esta quinta-feira, a CTMAG anunciou a receção de documentação relativa a uma candidatura às eleições para a MAG e Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting. Em comunicado, o órgão nomeado pelo Conselho Diretivo referia que recebera "a documentação relativa à candidatura 'Feitos de Honra. Leais ao Sporting', a qual concorre às eleições para a mesa da Assembleia Geral e Conselho Fiscal e Disciplinar, que vão realizar-se no dia 21 de julho de 2018"

"De acordo com o regulamento eleitoral, procederá agora à análise de toda a documentação perante os requisitos exigidos", referia o comunicado da CTMAG. Esta comissão foi criada substituir a MAG, já que Bruno e companhia consideram que a mesa presidida por Marta Soares cessou funções ao anunciar a intenção de se demitir em bloco.

No comunicado, a CTMAG informava, também, que recebera, na véspera, um requerimento assinado por cerca de três mil sócios em que é considerada inexistente a assembleia geral de destituição do Conselho Diretivo, marcada para 23 de junho, pela MAG eleita.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.