|
A+ / A-

Ana Gomes acusa Moçambique de fingir investigar desaparecimento do empresário português

26 mai, 2018 - 15:49 • Marina Pimentel

O programa Em Nome da Lei debate este sábado o caso do empresário português Américo Sebastião, desaparecido há quase dois anos em Moçambique, sem deixar rasto e sem que até ao momento, apesar de todos os esforços da família, as autoridades moçambicanas tenham comunicado qualquer avanço nas investigações que dizem estar a fazer.

A+ / A-

A eurodeputada Ana Gomes acusa o Governo moçambicano de estar a fingir que investiga “o caso do empresário português Américo Sebastião”, desaparecido há quase dois anos na província de Sofala.

A socialista diz que “há uma situação de impunidade em Moçambique”. E afirma que os esforço que as autoridades dizem estar a fazer, “não são genuínos”.

Américo Sebastião terá sido raptado a 29 de julho de 2016, numa estação de serviço, por quatro homens que se encontravam fardados e usavam uma viatura que na altura apenas era utilizada pelas forças militares do regime.

Durante os dias que se seguiram, foram feitos vários levantamentos da conta pessoal. Mas nunca foi pedido qualquer resgate à família. Salomé Sebastião, mulher do empresário, recusa-se a especular sobre a motivação do crime. E diz que o seu desaparecimento do marido “continua a ser um mistério”.

Salomé Sebastião tem batido a todas as portas, para descobrir o paradeiro do marido. Esteve no Parlamento Europeu e nas Nações Unidas. Pediu também os bons ofícios da Comunidade Santo Egídio, uma organização católica que teve um importante papel no processo de paz em Moçambique.

E foi essa organização que lhe falou da recusa das autoridades moçambicanas em dar qualquer informação sobre o caso.” A Comunidade Santo Egídio fez várias diligências” ,diz, “mas deparou-se com um muro de silencio”.

Na procura de explicações sobre o que pode estar na origem do silêncio das autoridades moçambicana, a eurodeputada Ana Gomes fala “em ligações ao fenómeno da corrupção” que explica também “o desaparecimento de outros cidadãos estrangeiros mas sobretudo de moçambicanos”.

Ana Gomes desafia o governo moçambicano a aceitar a colaboração da PJ Portuguesa na investigação do caso do empresário português, “provando assim que são genuínos os seus esforços para descobrir o que aconteceu”.

Ana Gomes tem feito várias diligências, para ajudar a família de Américo Sebastião, quer ao nível europeu quer ao nível nacional. A eurodeputada socialista diz que “embora fazendo tudo o que está ao seu alcance, a diplomacia portuguesa tem tratado este caso com paninhos quentes”. Defende que “é preciso falar claro sobre este caso”.

O deputado do PSD José Cesário, ex-secretário de Estado das Comunidades, não quer adiantar razões para o silêncio moçambicano. E diz que a sua bancada” está a fazer esforços para perceber porque razão isso acontece”.

Admite, no entanto, que “não seria a primeira vez em que se descobriam ligações entre a criminalidade e o poder político ou as forças de segurança”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.