Tempo
|
A+ / A-

Eutanásia. Marcelo já tem a declaração inter-religiosa

24 mai, 2018 - 13:14 • Ângela Roque

O Presidente recebeu esta manhã os representantes das várias religiões que assinaram o documento.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República já tem consigo a declaração “Cuidar até ao fim com compaixão”, aprovada no passado 16 de maio e assinada por oito religiões com presença em Portugal.

O documento foi entregue durante a audiência concedida esta quinta-feira de manhã aos representantes das várias religiões que se uniram contra a eutanásia.

Da delegação que se deslocou a S. Bento fizeram parte o padre Fernando Sampaio (coordenador do Grupo de Trabalho inter-religioso Religiões/Saúde), D. Manuel Clemente, (Cardeal Patriarca de Lisboa e representante da Igreja católica), Jorge Humberto (da Aliança Evangélica Portuguesa), Artur Machado (União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia), Diogo Lopes (presidente da União Budista Portuguesa), Kiritkumar Bachu (responsável da Comunidade Hindu), Sheik David Munir (Imã da Comunidade Islâmica de Lisboa) e o rabino Natan Peres (Comunidade Israelita de Lisboa).

A declaração afirma a “inviolabilidade da vida humana” e expressa o compromisso das diversas comunidades religiosas com um modelo compassivo de sociedade, para além de defender o alargamento a todos do acesso aos cuidados paliativos, que apresenta como uma “urgência nacional inadiável”.

Será também entregue durante a tarde na Assembleia da República – não ao presidente do Parlamento, como estava previsto, mas à vice-presidente Teresa Caeiro.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    24 mai, 2018 Viseu 16:00
    A eutanásia e o suicídio assistido continua a ser homicídio mesmo que a vítima o peça, tal como a escravatura é sempre um crime, mesmo que uma pessoa quisesse ser escrava! Com a legalização da eutanásia e do suicídio assistido, o Estado declararia que a vida de pessoas doentes e em sofrimento não lhe interessa, e não as protege. A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. O parlamento, os tribunais, os hospitais, os médicos e enfermeiros, existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • P/RR.S:S
    24 mai, 2018 xxxxxxxxxxxxxxxxxxx 14:58
    Já agora obrigado por publicar, mas não era preciso, como já pôs muitos comentários no lixo, este também podia ir, sra s.s.
  • P/R.R.S.S
    24 mai, 2018 xxxxxxxxxx 14:18
    Até ia fazer um comentário, mas esta sr. todas as vezes que está no ar nunca publica os meus comentários. Aqui vai mais um para por no caixote de lixo. Cumprimentos!