|
A+ / A-

PS admite requisição de casas “injustificadamente devolutas ou abandonadas"

19 abr, 2018 - 20:38 • José Carlos Silva

Helena Roseta lembra que “está na Constituição desde 76 a possibilidade de requisição de bens para interesse público”.

A+ / A-

O PS apresentou um pacote de medidas que constitui a sua proposta de lei de bases da habitação. No documento consta a possibilidade dos municípios avançarem para a requisição de casas de privados “injustificadamente devolutas ou abandonadas”.

Em causa, habitações que estejam vazias há cinco anos e pelas quais não há alteração do direito de propriedade.

A proposta foi apresentada pela deputada socialista Helena Roseta que explicou à Renascença a proposta, garantindo que não é uma espécie de reforma agrária aplicada à habitação.

“Está na Constituição desde 76 a possibilidade de requisição de bens para interesse público”, disse.

Helena Roseta lembra que “as pessoas têm direito [a ter casas vazias] mas quando há tanta necessidade, acho mais natural se uma casa não está a servir para ninguém possa ser requisitada mediante um pagamento justo durante um tempo para servir para alguém do que estar à espera não se sabe de quê ou de quem”.

A deputada e arquiteta lembra que “há 40 anos havia meio milhão de casas em falta porque havia mais famílias do que casas e agora há excesso de casas em Portugal: 700 mil casas em excesso, segundo o último censo”.

Helena Roseta deixa mesmo este exemplo: “Imagine uma pessoa já de uma certa idade que tem um prédio e que não tem meios financeiros, nem paciência, nem capacidade para gerir arrendamentos e não quer ter maçadas com inquilinos nem ter problemas. Se esta lei de bases for aprovada tem várias opções: colocar a casa num fundo público – nacional ou municipal – e dizer ‘tomem conta dela e dêem-me um rendimento certo’. Outra possibilidade que tem é o município dizer: ‘requisitamos a sua casa e o senhor recebe uma renda certinha todos os meses’. Acho que isto é uma coisa sensata, razoável e não vale a pena transformar isto num bicho de seta cabeças”.

Segundo Helena Roseta, “se a pessoa estiver a utilizar a sua casa ou precisar dela ou estiver arrendada ou quiser vender e tirar dela rendimento é perfeitamente legítimo”. A lei só se aplicará em relação a “casas injustificadamente devolutas ou abandonadas”.

A deputada socialista reforça: “Precisamos de uma política de habitação consistente em Portugal”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio
    20 abr, 2018 Porto 16:00
    Se eu roubar, vou preso. Se for o governo, tudo bem. Basta dizer que é para o bem dos outros. Vamos todos para o governo para podermos roubar à vontade. ninguém tem direito a roubar, ninguém pode estar acima da lei!!!!!!
  • Anónimo
    19 abr, 2018 22:14
    Não pode haver casas sem gente enquanto houver gente sem casa.