Tempo
|
Francisco Assis-João Taborda da Gama
Um eurodeputado e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver em Lisboa olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Debate Francisco Assis e João Taborda da Gama - 12/04/2018
Debate Francisco Assis e João Taborda da Gama - 12/04/2018

Francisco Assis-João Taborda da Gama

"Parlamento não pode passar mais tempo a discutir a lei da Uber do que a eutanásia"

12 abr, 2018


No debate desta quinta-feira, os dois comentadores opinaram também sobre os contornos políticos em torno do OE para 2019.

"O Parlamento não pode passar mais tempo a discutir a lei da Uber do que a discutir a eutanásia." A opinião é de João Taborda da Gama.

Para este comentador da Renascença, o Parlamento tem total legitimidade para legislar sobre este assunto, considerando que não é necessário realizar um referendo sobre esta matéria, mas a discussão deve ser profunda e abragente, defende.

Na mesma linha, o eurodeputado socialista Francisco Assis considera que o prazos pretendidopara a votação da lei da eutanásia (até ao fim da sessão legislativa) é "demasiado curto".

"Este tema não pode ser tratado à pressa", remata.

No debate desta quinta-feira, os dois comentadores discutiram ainda questões em torno do Orçamento do Estado para 2019. Assis considera que, se não houver entendimento entre os partidos da esquerda, o PSD deve viabilizar o documento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    27 abr, 2018 Viseu 12:46
    A defesa da vida, em todas as circunstâncias, é a defesa da humanidade. Os promotores da cultura da morte − aborto e eutanásia − atentam contra a dignidade da pessoa humana: são os "bárbaros" e os "monstros" destes tempos… A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. Os tribunais, os médicos e os enfermeiros existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros...