A+ / A-

Facebook. Cambridge Analytica pode ter acedido a dados de mais de 63 mil utilizadores em Portugal

05 abr, 2018 - 12:42

É apenas uma estimativa, mas é possível que 15 utilizadores tenham permitido à Cambridge Analytica aceder aos dados de 63 mil portugueses.

A+ / A-

A consultora britânica Cambridge Analytica pode ter acedido a dados de cerca de 63.080 utilizadores do Facebook em Portugal.

De acordo com fonte oficial da rede social, citada pela agência Lusa, a aplicação usada para recolher dados pela consultor Cambridge Analytica, a "thisisyourdigitallife", foi usada por 15 utilizadores. No entanto, como a aplicação conseguia recolher os dados de todos os amigos desses utilizadores, a empresa de Silicon Valley acredita que o valor possa rondas as 63 mil pessoas em Portugal.

"Realizamos a nossa própria análise interna para determinar o número de pessoas potencialmente visadas. Utilizamos uma metodologia expansiva - esta é a nossa melhor estimativa do número de pessoas que instalaram a 'app', bem como dos seus amigos cujos dados podem ter sido acedidos.

Numa conferência telefónica com vários elementos dos 'media', o cofundador e atual presidente-executivo (CEO) da empresa que detém o Facebook, WhatsApp e Instagram, Mark Zuckerberg revelou que a sociedade de consultoria britânica Cambridge Analytica terá acedido aos dados de 87 milhões de utilizadores - bem mais do que os 50 milhões de utilizadores que a investigação The Guardian/New York Times divulgara inicialmente.

A rede social Facebook tem estado no centro de uma vasta polémica internacional com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, favorecendo a campanha de Donald Trump.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.