|
A+ / A-

Sarampo. Há mais um caso confirmado

01 abr, 2018 - 16:52

São agora 85 os casos confirmados e ainda há 19 em investigação, segundo a DGS.

A+ / A-
Sarampo. O regresso de uma doença erradicada
Sarampo. O regresso de uma doença erradicada

Veja também:


O surto de sarampo registou mais um caso, nas últimas 24 horas, elevando o número para 85. Apenas uma pessoa está ainda hospitalizada, anuncia a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Dos 85 casos, 74 estão curados e 11 estão com a doença, afirma a DGS. Há ainda 19 casos em investigação.

A DGS não dá pormenores, mas esclarece que a maioria dos casos está ligada ao Hospital de Santo António, no Porto, e atesta que "está em curso a investigação epidemiológica detalhada da situação, que inclui investigação laboratorial de todos os casos".

"O vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infeciosas ou por propagação no ar, quando a pessoa infetada tosse ou espirra", explicou a DGS no comunicado, lembrando que os sintomas do sarampo aparecem, geralmente, entre 10 e 12 dias depois de a pessoa ser infetada e "começam habitualmente com febre, erupção cutânea, tosse, conjuntivite e corrimento nasal".

Existe vacina contra o sarampo no Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e 5 anos de idade.

Os profissionais de saúde devem ter as duas doses da vacina independentemente da sua idade.

Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença.

As pessoas com o esquema vacinal completo podem contrair a doença, mas de forma leve e não são veículo de transmissão, segundo as autoridades de saúde.

O que precisa de saber sobre o sarampo
O que precisa de saber sobre o sarampo
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.