RR
|
A+ / A-

Zuckerberg não vai ao parlamento britânico

27 mar, 2018 - 12:58

O CEO do Facebook manda o responsável de tecnologia da empresa e o chefe de produto para testemunhar perante os deputados britânicos.

A+ / A-

O fundador e CEO, Mark Zuckerberg, não irá comparecer no Parlamento Britânico para responder às perguntas sobre o escândalo de acesso a dados pessoais. Em sua representação irá um dos adjuntos do CEO de Mark Zuckerberg.

Numa carta enviada à comissão parlamentar de Assuntos Digitais, Cultura, Media e Desporto, a responsável das Relações Públicas da rede social, Rebecca Stimson, indica que será um dos adjuntos de Zuckerberg a dar resposta às perguntas dos deputados.

Esta comissão convocou o fundador do Facebook para explicar a alegada divulgação indevida de dados de mais de 50 milhões de utilizadores, que pode ter ajudado a campanha eleitoral do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A responsável pela comunicação do Facebook reconhece a empresa concorda que estes assuntos "têm de ser abordados ao mais alto nível da empresa por diretores em posições de autoridade", e acrescenta que o próprio Zuckerberg "pediu a um dos seus adjuntos para que se coloque à disposição da comissão parlamentar para prestar declarações pessoalmente", segundo a agência de notícias espanhola Efe.

Desta forma, será Mike Schroepfer, responsável pela tecnologia da empresa, e Chris Cox, chefe de produto, que falarão com os deputados britânicos. "Ambos têm uma grande experiência nestes assuntos e estão bem posicionados para responder às questões sobre estes temas complexos", pode ler-se na carta da porta-voz da gigante de Silicon Valley.

Em entrevista à CNN, numa das primeiras reações aos escândalo, Mark Zuckerberg mostrou-se disponível para testemunhar sobre o caso ao congresso norte-americano, ainda que tenha ressalvado que enviaria a pessoa certa para testemunhar. "“O que tentaremos fazer é enviar a pessoa com mais conhecimento [sobre o caso]. Se essa pessoa sou eu, então fico satisfeito em ir”, disse Zuckerberg na entrevista à CNN.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.