RR
|
A+ / A-

“A situação em Afrin era igual a Ghouta, mas o mundo esqueceu-se de nós”

22 mar, 2018 - 15:00 • Filipe d'Avillez

As Forças Democráticas da Síria foram aliadas cruciais no combate ao Estado Islâmico, mas agora que estão a ser atacadas pela Turquia a coligação internacional deixou-os sós, lamenta o porta-voz deste grupo, Kino Gabriel, numa entrevista exclusiva à Renascença.

A+ / A-

Veja também


Mais de 300 mil pessoas abandonaram a cidade Síria de Afrin nas últimas semanas, segundo dados avançados pelas Nações Unidas, perante a ofensiva da Turquia, que depois de várias semanas de bombardeamentos acabou por tomar a cidade, com o apoio do Exército Livre da Síria.

“O Exército Livre chegou, e era suposto ser tudo seguro”, disse um residente da cidade, em declarações à Reuters, “mas acabou por ser o contrário. Pilharam-nos as casas, pilharam-nos os carros, pilharam-nos as lojas. Agora é como se fôssemos sem-abrigo nas nossas próprias casas, sem nada que comer, nada que beber, sem segurança”.

A situação dramática reforçou a onda de refugiados, mas o mundo continua focado sobretudo em Ghouta, o enclave rebelde nos arredores de Damasco, sitiado e atacado pelas forças leais a Bashar al-Assad.

Esta é uma situação que enerva o porta-voz das Forças Democráticas da Síria (FDS), uma aliança de milícias que atua, sobretudo, no nordeste da Síria e que foi instrumental, ao longo dos últimos anos, para derrotar o Estado Islâmico no terreno. São precisamente as Forças Democráticas que a Turquia quis expulsar de Afrin.

“A situação em Afrin era quase idêntica à de Ghouta”, diz Kino Gabriel, “mas sentimos que Afrin foi esquecida, o povo de Afrin, e o seu sofrimento, foi esquecido pelo mundo”, diz o porta-voz, Kino Gabriel.

A sensação de abandono é agravada pelo facto de “o mundo”, neste caso, ser sobretudo a mesma Europa e os mesmos Estados Unidos que dependeram das FDS para combater o Estado Islâmico. “Combatemos juntos contra o Estado Islâmico e conseguimos derrotá-lo em vários locais ao longo dos últimos anos, mas agora os nossos aliados deixaram-nos sozinhos nesta batalha contra a invasão pelo Estado turco e os mercenários do Exército Livre da Síria. Ainda tentaram fazer algo através da resolução do Conselho de Segurança, a exigir um cessar-fogo para a Síria, mas a Turquia não a acatou”, lamenta Gabriel, em conversa com a Renascença.

Apesar do desgosto, o porta-voz compreende as dificuldades dos aliados. Os EUA querem evitar um confronto direto com um aliado importante na NATO, e os países europeus estão à mercê da Turquia por outra razão. “A Turquia está a ameaçar deixar entrar centenas de milhares de imigrantes para a União Europeia. Sabemos que é uma situação complicada para todos”, diz.

Guerra ao Estado Islâmico comprometida

Mas a inação dos aliados, por mais que seja compreensível, vem com um preço. As FDS viram-se obrigadas a retirar homens das frentes de batalha contra as poucas bolsas de resistência do Estado Islâmico que ainda existem, e deslocá-los para a região de Afrin.

“A Turquia obrigou-nos a cessar as operações contra o Estado Islâmico. A vitória, que deveria ser alcançada no espaço de duas ou três semanas, no máximo, acabou por ser adiada durante algum tempo”, explica.

E a situação pode mesmo vir a agravar-se. Kino Gabriel explica que as suas forças, e a maioria dos civis, foram retiradas de Afrin há vários dias “para evitar um massacre provocado pelos ataques turcos”, mas as SDF continuarão a resistir, diz. “Ainda temos algumas forças nos arredores de Afrin e elas vão desencadear operações contra o exército Turco e os mercenários.” Ao mesmo tempo a Turquia ameaça atacar outras cidades perto da fronteira, incluindo Qamishli, Tal Abyad, Ra’s al’Ayn e até Manbij, onde estão estacionadas as forças americanas.

A Turquia insiste que as FDS são dominadas pela milícia curda YPG e que esta, por sua vez, é uma mera extensão do PKK, o Partido dos Trabalhadores Curdos, que leva a cabo uma insurreição contra o Estado turco há décadas.

Kino Gabriel, que não é curdo, mas sim um cristão siríaco, desmente esta ideia e diz que, pelo contrário, quem tem um registo de apoiar terroristas é a própria Turquia.

O conflito entre a Turquia e as SDF é mais um fator que complica uma guerra civil que dura há mais de sete anos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adriano
    26 mar, 2018 Brasil 17:47
    Acho que agora os curdos começaram a ve que eles entraram nesse confrito do lado errado os Americanos sempre Abandonam os seus aliados o assad advertiu eles que cedo ou tarde os americanos iam abandona eles, era para vcs estarem era do lado da Rússia e da síria se tivessem estavam melhor.
  • Adriano
    26 mar, 2018 Brasil 17:38
    Acho que agora os curdos começaram a ve que eles entraram nesse confrito do lado errado os Americanos sempre Abandonam os seus aliados o assad advertiu eles que cedo ou tarde os americanos iam abandona eles, era para vcs estarem era do lado da Rússia e da síria se tivessem estavam melhor.