Tempo
|
A+ / A-

Sócrates não faz futurologia sobre regresso à política

21 mar, 2018 - 19:53

Antigo primeiro-ministro esteve na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Defende que Portugal "precisa de um projeto de desenvolvimento".

A+ / A-

José Sócrates não quer fazer futurologia sobre um eventual regresso à vida politica através de uma candidatura à Presidência da República.

Em declarações aos jornalistas, em Coimbra, à margem da conferência "O projeto Europeu depois da crise económica", o antigo primeiro-ministro e principal arguido da “Operação Marquês" deixa a matéria para os comentadores políticos.

“Sabe, não me parece que isso seja uma matéria de política. É mais uma matéria de bruxaria, então, talvez possamos deixar essas matérias de bruxaria entregue aos videntes que fazem disso profissão”, declarou.

José Sócrates falou do passado, da ambição de investimento que protagonizou e que considera ser um projeto válido e necessário.

“O que acho é que o país precisa de um projeto de desenvolvimento – que teve – e esse projeto foi posto em causa por uma visão política que atribuía a esse investimento, ambição e modernização a ideia de desperdício e de dinheiro deitado fora. Isso é um erro”, alertou.

“Acho que o país precisa de recuperar essa ambição de investimento em algumas áreas críticas, como se vez no passado, na ciência, no ensino superior, na educação, na requalificação das escolas, nas energias alternativas, na modernização das infraestruturas. O país precisa de um projeto de desenvolvimento”, sublinhou.

José Sócrates considera que abandono do projeto da ligação de alta velocidade ferroviária (TGV) a Espanha e à Europa é uma "ideia reacionária" e revela "resignação e falta de ambição".

"A ideia de que o país não tem aqui um trabalho a fazer para se ligar à rede de alta velocidade europeia, a ideia que a rede de alta velocidade em bitola europeia vai parar em Badajoz, com o país propositadamente atrasado e por uma decisão política que nos condena ao atraso, é das ideias mais reacionárias que eu tenho visto a desenvolver no nosso país", afirmou José Sócrates, durante uma conferência na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    21 mar, 2018 aveiro 20:11
    Fora o caso de justiça em que está implicado o J.Sócrates , dou-lhe razão no que diz respeito ao projecto do TGV com ligação a Portugal . Seria uma mais valia Sócio -Económica , tanto em termos Comerciais como em Transporte de passageiros . Em média de 300km /hora , chegava-se a Paris em 6 Horas, mais ou menos . Mas enfim ........................ficamos na cauda do progresso "útil" , sabe-se lá porquê ?????