RR
|
A+ / A-

Facebook lamenta quebra de segurança e anuncia medidas

21 mar, 2018 - 19:56

Mark Zuckerberg usou o Facebook para comentar pela primeira vez o escândalo que envolve a empresa e a Cambridge Analytica, que terá utilizado milhões de dados pessoais sem autorização.

A+ / A-

Veja também:


O Facebook lamenta quebra de segurança, garante estar a investigar o que aconteceu com os dados e quer evitar que um caso como este volte a acontecer.

Numa mensagem na rede social, Mark Zuckerberg começou por dizer que a empresa tinha “a responsabilidade de proteger os dados” e se isso não é conseguido então “não merecemos servi-lo”.

A empresa, garante o seu CEO, está a trabalhar “para perceber exatamente o que aconteceu e como garantir que isto não volte a acontecer”.

Zuckerberg faz o histórico do que aconteceu e lembra que em 2013 “um analista da Universidade de Cambridge chamado Aleksandr Kogan criou um aplicativo de teste de personalidade. Foi instalado por cerca de 300 mil pessoas que partilharam os seus dados, bem como alguns dos dados dos seus amigos. Dada a forma como a nossa plataforma funcionou na altura, isto significava que Kogan conseguiu aceder a dezenas de milhões de dados dos seus amigos”.

Segundo o líder do Facebook, só na semana passada souberam, após as notícias de vários media, que a empresa “Cambridge Analytica pode não ter apagado os dados como tinham certificado” e garantiram que desde aí proibiram a empresa de usar os serviços da rede social.

Mark Zuckerberg acrescenta que a Cambridge Analytica “concordou com uma auditoria forense para confirmar” que os dados foram destruídos.

“Isto foi uma quebra de confiança entre Kogan, a Cambridge analytica e o Facebook. Mas também foi uma quebra de confiança entre o Facebook e as pessoas que partilham os seus dados connosco e esperam que a protejam. Temos de resolver isso”, refere.

O Facebook promete agora “investigar todas as aplicações que tiveram acesso a grandes quantidades de informação” e “realizar uma auditoria completa de qualquer aplicação com atividade suspeita”. Garante também que vai “banir qualquer empresa que não concorde com uma auditoria completa”.

A rede social acrescenta que vai restringir “ainda mais o acesso aos dados dos programadores para evitar outros tipos de abusos”. “Por exemplo, vamos remover o acesso dos desenvolvedores aos seus dados se você não tiver usado seu aplicativo em 3 meses” e “reduzir os dados necessários para entrar numa app - para nome, foto de perfil e endereço de email”.

Em terceiro lugar, o Facebook vai ainda tomar medidas para melhorar a compreensão dos cibernautas sobre “quais as aplicações que já tiveram acesso aos dados particulares”.

A fechar o longo post, Zuckerberg assume a responsabilidade pelo erro. “Sou responsável pelo que acontece na nossa plataforma”. E promete trabalhar para “construir um serviço melhor a longo prazo”.

A Cambridge Analytica é acusada de ter recolhido informações pessoais de mais de 50 milhões de utilizadores do Facebook em 2014 e 2015 para usar essas informações em campanhas de propaganda política.

Facebook, Cambridge Analytica e Kogan assumem responsabilidades, mas negam ter culpas do uso de dados
Facebook, Cambridge Analytica e Kogan assumem responsabilidades, mas negam ter culpas do uso de dados
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    21 mar, 2018 21:20
    Lamenta... vindo de quem criou o Facebook roubando a ideia a colegas da universidade. E ainda há "liberais" (no sentido americano da palavra) a aplaudi-lo quando ele na verdade enriquece à custa da extrema-direita.
  • 21 mar, 2018 20:12
    O FACE está sempre atento! Obrigada