|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Parlamentos europeu e britânico querem ouvir fundador do Facebook

20 mar, 2018 - 17:06

Deputados britânicos acusam dirigentes do Facebook de os terem enganado e querem pedir explicações diretamente a Mark Zuckerberg. Ações da empresa caem em resposta à crise.

A+ / A-

Veja também:


O parlamento britânico e o Parlamento Europeu querem ouvir o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, devido ao escândalo de uso indevido de dados de utilizadores da rede social por parte de uma empresa, a Cambridge Analytica, que os utilizava para fazer campanha política.

Investigações de órgãos de informação americanos e britânicos revelaram que a Cambridge Analytica conseguiu armazenar dados de dezenas de milhões de utilizadores. A empresa era, na altura, detida por Steve Bannon, um dos conselheiros da campanha de Donald Trump, e os dados foram usados para direcionar publicidade aos cibernautas.

Segundo as investigações, o Facebook apercebeu-se deste facto em 2015, mas não fez tudo o que estava ao seu alcance para recuperar e proteger os dados pessoais.

Agora, a comissão do parlamento britânico para o digital, cultura, media e desporto quer obter explicações diretamente de Zuckerberg e enviou-lhe, esta terça-feira, uma carta nesse sentido, pedindo uma resposta até ao dia 26, segunda-feira da próxima semana.

Segundo o presidente da comissão, Damian Collins, as respostas obtidas até à data por outros funcionários do Facebook revelaram-se falsas ou incompletas. “Chegou a hora de ouvir de um executivo do Facebook com autoridade suficiente para nos explicar de forma rigorosa esta falha catastrófica de procedimentos. Dado o seu compromisso, feito no início do ano, de ‘arranjar’ o Facebook, espero que esse representante seja você mesmo”, lê-se na carta, citada no jornal britânico “The Guardian”.

Dados pessoais usados para manipular a democracia?

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, também convocou esta terça-feira o fundador do Facebook a prestar contas aos eurodeputados sobre o uso de dados de cidadãos europeus na sequência do escândalo da Cambridge Analytica.

"Convidamos Mark Zuckerberg para vir ao Parlamento Europeu porque o Facebook precisa de clarificar, diante dos representantes de 500 milhões de europeus, que os dados pessoais não são usados para manipular a democracia", escreveu Tajani no Twitter.

Na sequência do escândalo as ações do Facebook têm estado em queda acentuada.

Às 17h00 desta terça-feira, hora de Lisboa, a queda era de 5%, após uma queda de perto de 7% na segunda-feira.

Segundo a imprensa americana, a fortuna do próprio Mark Zuckerberg diminuiu nos últimos dias em cerca de cinco mil milhões de dólares.

[notícia atualizada às 17h30]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.