|
A+ / A-

Costa sobre o caso "e-toupeira": “Por uma vez, foi fácil descobrir violação do segredo de justiça”

15 mar, 2018 - 16:03

Questão foi levantada pelo líder parlamentar do PSD. "Mesmo tratando-se de um clube que nos é querido, não vou especular sobre uma matéria em investigação”, respondeu o primeiro-ministro, no debate quinzenal, no Parlamento.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, pronunciou-se esta quinta-feira, pela primeira vez, sobre o caso “e-toupeira”, que envolve suspeitas de corrupção de um dirigente do Benfica e de um funcionário judicial, com violação da base de dados Citius.

A pergunta foi levantada pelo líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, que questionou Costa sobre que medidas tomou o Governo para garantir a segurança na Justiça.

“Tivemos a notícia de um funcionário judicial, especialista em informática, que usou uma password adormecida de uma procuradora para obter informação relativamente a um clube de futebol, imprimindo documentos e distribuindo por toda a gente”, começou por referir o deputado social-democrata.

“Nós temos esta informação de um clube que, por acaso, nos une, não vou dizer qual, mas é do nosso clube de futebol. E eu pergunto-lhe: depois de a ministra da Justiça ter desvalorizado a situação, dizendo que não há sistemas informáticos imunes, o Governo já tomou alguma medida no sentido de criar condições para que o nosso sistema informático possa não estar sujeito a acontecimentos desta natureza? A segurança na justiça é fundamental”, sublinhou.

Na resposta, o primeiro-ministro começou por responder: “Mesmo tratando-se de um clube que nos é querido, não vou especular sobre uma matéria em investigação.”

António Costa admitiu que “não há forma alguma de prevenir que alguém certificado para utilizar o sistema o faça de forma indevida”.

“Apesar de tudo, devíamos regozijar-nos de, pelo menos por uma vez, a violação do segredo de justiça foi fácil de descobrir e apontar alguém que o tenha feito”, sublinhou o primeiro-ministro.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.