|
A+ / A-

Há muitas entidades que ainda não se registaram para cobrar taxa turística no Porto

01 mar, 2018 - 16:54 • Henrique Cunha

Vereador Ricardo Valente confirma: "Num universo de 5.100 entidades, registaram-se cerca de 3.400:"

A+ / A-

Mais de 1.500 entidades do Porto ainda não se registaram para avançar com a cobrança da taxa turística.

No dia em que a taxa começa a ser cobrada, o vereador do pelouro da Economia e Turismo, Ricardo Valente, reconhece, em declarações à Renascença, que o registo obrigatório para a cobrança da taxa ainda não foi feito por um número significativo de entidades: "De facto, temos ainda um défice de registos. Temos perto de 3.400 entidades registadas para um universo que andará à volta das 5.100."

"O registo é obrigatório para se cobrar a taxa. Portanto, quem não está registado não pode cobrar e estará a incorrer numa penalização", lembra o autarca.

Ricardo Valente contesta a ideia de que a taxa turística possa prejudicar o turismo da região, lembrando que grande parte dos destinos europeus já recorre a este tipo de expediente.

"Grande parte dos destinos europeus e das cidades europeias já tem taxa turística. Parece ser algo de inexorável, do ponto de vista de tendência. Não me parece que isso possa ir dar cabo da 'galinha dos ovos de oiro'. Repare que, aqui ao lado, Gaia, a partir de Abril, também vai ter uma taxa turística de dois euros."

"Temos que ver o turismo como algo muito positivo. O Porto deve muito ao turismo, mas também temos que não meter a cabeça na areia. A taxa turística ajuda a resolver os problemas da pressão da taxa turística na cidade. Estamos a garantir a sustentabilidade e o equilíbrio de longo prazo do ponto de vista da cidade do Porto", reforça Ricardo Valente.

O vereador garante que a única objecção dos operadores respeita ao destino que a autarquia pretende dar à taxa de dois euros: " A nossa taxa turística tem um objetivo muito claro: a mitigação da pegada turística. Angariar uma receita que permita redução a pegada. Acredito que, do lado dos hoteleiros, a sua crítica esteja ligada ao facto de não usarmos a taxa na concretização de novos projectos turísticos, à semelhança do que fizeram outros municípios."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.