A+ / A-

​Capucho regressa ao PSD e saúda "matriz social-democrata" de Rui Rio

19 fev, 2018 - 17:24

Ex-vice-presidente do PSD suspendeu militância há cinco anos, em rota de colisão com Pedro Passos Coelho.
A+ / A-

O ex-vice-presidente do PSD António Capucho vai regressar ao partido, cinco anos depois de ter a sua militância suspensa, e saudou hoje o "regresso à matriz social-democrata" da liderança de Rui Rio.

"Até final da semana", Capucho e um grupo de militantes expulsos por apoiarem uma candidatura independente nas autárquicas de 2013, em Sintra, vão pedir, ao Conselho de Jurisdição Nacional, a revogação da decisão de há cinco anos.

Em declarações à agência Lusa, o antigo secretário-geral social-democrata afirmou que já não se justificam os motivos que levaram à suspensão da militância por ele e mais 80 militantes apoiarem Marco Almeida, dado que o PSD se "arrependeu" e apoiou-o nas autárquicas seguintes.

No dia seguinte ao congresso do PSD, de consagração de Rui Rio, António Capucho anotou que a moção de estratégia "é de regresso à matriz social-democrata", que faz "uma retificação do percurso anterior", com Pedro Passos Coelho, com a qual discordou.

E disse esperar que resulte - "tenho esperança que sim" - o "acordo político" entre Rio para uma "unidade na ação" no partido, desdramatizando quer a votação da comissão política (64,7%) quer a escolha da ex-bastonária Elina Fraga para vice-presidente.

Capucho acredita que a polémica em torno de Elina Fraga, que apresentou queixa contra os ministro do anterior Governo do PSD devido ao mapa judiciário, "não tem influência sensível" na estratégia e "construção da alternativa" de Rui Rio no partido.

Nem o facto de o novo presidente não ter feito propostas mais concretas no discurso de encerramento preocupa em demasiado o também antigo líder parlamentar, que teve Rui Rio como "vice" da bancada social-democrata.

"Não deu o detalhe [no discurso] nem tinha que dar. As grandes reformas estruturais estão lá, o detalhe das reformas serão adotadas mais tarde pela comissão política, em articulação com o grupo parlamentar", afirmou.

Capucho é favorável a acordos com o PS em áreas como a segurança social ou a justiça, que o novo líder defendeu nos dois discursos aos congressistas, na sexta-feira e no domingo, ou ainda nas leis eleitorais.

Dos discursos que Rio fez ao congresso, um a abrir e outro a fechar, há a reter uma clarificação quanto ao "não" a um Bloco Central e um desafio ao Governo para uma reforma na Segurança Social.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lobo Mau
    20 fev, 2018 porto 12:33
    Faz sentido... Se elegeram um comunista para presidente é normal que passe a ser no mínimo um partido defensor do socialismo. Então agora deixa de ser PSD e passa ser PDS. Ou seja, Partido Da Sozialdemokratie! Se virais à esquerda o Costa agradece!