|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Hora da Verdade

Governo tem “feito pouco” na educação e ciência, critica Sampaio da Nóvoa

25 jan, 2018 - 00:43 • Eunice Lourenço (Renascença) e David Dinis (Público)

“Infelizmente não estamos numa dinâmica do que é o futuro da escola e das universidades”, apenas um gerir de problemas, lamenta o ex-reitor da Universidade de Lisboa.

A+ / A-
Sampaio da Nóvoa disponível para segunda corrida a Belém
Sampaio da Nóvoa disponível para segunda corrida a Belém

Veja também:


O ex-candidato presidencial Sampaio da Nóvoa é também ex-reitor da Universidade de Lisboa e especialista em Ciências da Educação. Em entrevista ao Hora da Verdade, pede maior autonomia para “libertar” as escolas e universidades da burocracia.

Que avaliação faz do Governo em matéria de Educação?

A educação é central, como a ciência e cultura. Julgo que nestas áreas, o que tem sido feito tem sido feito de uma forma correcta - tanto na Educação, como na Ciência e no Ensino Superior. Mas tem sido pouco. Isto é: tem havido mais um gerir e resolver situações que vinham do passado...

Em 2015 disse que devíamos viver uma revolução nas escolas: mudança nos currículos, na organização e modelo da escola. Estamos a atrasar-nos?

Estamos longe. Infelizmente não estamos neste momento numa dinâmica do que é o futuro da escola e da educação. E o mesmo se diga para as universidades, que estão muito...

Estagnadas?

Muito contidas, a palavra estagnada seria injusta. Há muita coisa que se tem feito bem. Pelo meu mandato de reitor tenho um fantasma, que é a burocracia. E o complicador imenso em que se transformou a vida das escolas, dos professores, a gestão das universidades, a vida da ciência. Fazer um projecto científico é uma coisa do outro mundo. E temos que nos libertar disso. O tema da autonomia, que é para mim central...

Tem-se falado muito na autonomia...

... mas é conversa. As escolas deviam ser ambientes vibrantes, estimulantes.

O que é que custa mais a ultrapassar? Burocracias, as medidas do Governo, os professores, a sociedade...

Há um conjunto dessas coisas todas. Mas há uma rigidificação burocrática, que se criou nas nossas instituições, que é um factor que dificulta muito essa espécie de liberdade. As pessoas, às vezes, para fazerem coisas quase têm que sair das instituições.

Como é que se ultrapassa isso?

No caso das universidades é consagrando um verdadeiro estatuto de autonomia, com responsabilidades claras. Precisamos de ter uma muito maior autonomia das instituições, dos professores, das universidades, da ciência. Hoje a ciência é a chave da sociedade do século XXI. A chave de tudo o que nos vai acontecer está na ciência e na tecnologia. Mas não é só a que se faz nos grandes laboratórios, não, é a que se faz dentro das escolas, na sociedade. Se não formos capazes de fazer isso, vamos andar enredados...

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.