Tempo
|
A+ / A-

​Segurança Social paga creches ao sábado dos filhos de trabalhadores da Autoeuropa

23 jan, 2018 - 18:12

Governo intervém para tentar acabar com o impasse na fábrica de Palmela. Para quarta-feira está marcada uma nova reunião para discutir os pormenores.

A+ / A-

A Segurança Social já identificou as vagas em instituições particulares de solidariedade social (IPSS) onde os trabalhadores da Autoeuropa poderão deixar os filhos nos sábados de trabalho, garantindo o pagamento das creches nesses dias, disse à agência Lusa fonte do Governo.

Os detalhes sobre o apoio aos casais com filhos que trabalham na fábrica da Volkswagen de Palmela serão discutidos numa reunião que se realiza esta quarta-feira entre os serviços da Segurança Social e os recursos humanos da Autoeuropa.

Segundo fonte governamental, a reunião servirá para fazer a correspondência entre as disponibilidades de vagas em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e as necessidades dos trabalhadores.

No encontro deverão ainda ser definidas as idades das crianças a apoiar bem como a localização geográfica, uma vez que nem todas as famílias residem em Palmela.

A Segurança Social irá compensar os encargos das IPSS através do "complemento de horário em creche", apoio que "durará enquanto houver necessidades por parte dos trabalhadores", explicou a mesma fonte.

O valor do suplemento será apurado "caso a caso" e na reunião de quarta-feira "será avaliado" se o apoio às famílias pelo trabalho ao sábado poderá abranger o trabalho por turnos, à noite e aos domingos.

Em Dezembro, após uma reunião conjunta entre o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa e a administração da empresa, o Governo garantiu que iria assumir "responsabilidades em algumas dimensões" como a criação e reforço de "equipamentos sociais de apoio à família" para responder aos novos horários da fábrica.

O novo horário da fábrica de Palmela entra em vigor no final do mês e deverá vigorar até Agosto de 2018, altura em que a administração da Autoeuropa irá discutir com a Comissão de Trabalhadores o novo período para o resto do ano.

A questão colocou-se com o fabrico do novo modelo T-Roc e, após a rejeição de dois pré-acordos pelos trabalhadores sobre alterações aos horários de trabalho, na sequência do aumento da produção, a administração impôs unilateralmente o novo modelo laboral.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    24 jan, 2018 Porto 00:17
    Mas que pouca vergonha e está esses trabalhadores não vivem no meu país onde o trabalho escasso mal pago se trabalha sábados domingos horas noturnas sem regalias tenham vergonha eu não quero pagar essas creches
  • Augusto
    23 jan, 2018 Lisboa 19:44
    Está mal, deve ser a Administração da Auto- Europa a arcar com esse encargo. Têm necessidade de trabalhadores aos sábados, assumam os encargos dessa opção, caso contrário TODOS os trabalhadores que trabalham ao Sabado e Domingo devem ter o mesmo direito.
  • António dos Santos
    23 jan, 2018 Coimbra 19:00
    É uma vergonha e um ROUBO à Segurança Social. Vamos pagar a creche dos filhos dos trabalhadores da Auto Europa?!!! Esses gandulos ganham muito acima da média geral e têm regalias que os outros não auferem. Isto é o governo a gozar com os trabalhadores, que mal ganham para comer e têm que pagar a creche. Para bem do país revoguem esta decisão. Se os trabalhadores instigados pela escumalha e chulos dos sindicatos, não querem cumprir o horário estabelecido pela Auto Europa, o que há a fazer: é um despedimento colectivo e esses elementos não receberem o Subsídio de Desemprego, para aprenderem a ser HOMENS e não canalhas.