Tempo
|
A+ / A-

D. Carlos Azevedo recorda D. Manuel Martins

20 jan, 2018 - 22:59

Livro reúne textos de antigo bispo de Setúbal, que completaria este domingo 91 anos.

A+ / A-

D. Manuel Martins representa uma marca da luta pelos problemas concretos dos cidadãos levando-os ao espaço público. Palavras de D. Carlos Azevedo, do Conselho Pontifício da Cultura da Santa Sé, na apresentação do livro, a título póstumo, com escritos do antigo bispo de Setúbal, que completaria este domingo 91 anos.

São textos que reúnem pensamentos de D. Manuel Martins, escritos nos dois últimos anos de vida.

“Mais do que herdeiro do pensamento de D. António, uma vez que D. Manuel Martins não era um estudioso do pensamento de D. António, ele é sobretudo alguém que é um praticante existencial daquilo que eram os princípios e os valores de D. António Ferreira Gomes na luta pelos mais débeis, na defesa da justiça, na intervenção socio-política".

"Aí, o D. Manuel Martins, seja na escrita seja nas comunicações, transmitia os problemas concretos das pessoas para os fazer vir ao de cima no espaço público”, disse D. Carlos Azevedo na apresentação do livro "Nascemos Livres", com textos de D. Manuel Martins, que morreu em Setembro do ano passado.

D. Manuel Martins, o bispo dos marginalizados
D. Manuel Martins, o bispo dos marginalizados
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.