|
A+ / A-

Independentistas conseguem a maioria no parlamento da Catalunha

22 dez, 2017 - 06:35

Conselho de ministros espanhol reúne-se hoje em Madrid para reagir aos resultados.

A+ / A-

Veja também:


O partido constitucionalista Cidadãos venceu as eleições regionais de quinta-feira na Catalunha, com 37 deputados, mas os independentistas mantiveram a maioria absoluta no parlamento, conquistando 70 dos 135 lugares.

Carles Puigdemont, o presidente demitido do governo catalão (Generalitat), anunciou uma vitória da “república catalã” contra “a monarquia do 155”, numa referência ao artigo da Constituição espanhola que permite a suspensão das autonomias regionais e que foi activado por Madrid depois da Declaração Unilateral de Independência.

As eleições de quinta-feira, foram convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional, liderado por Carles Puigdemont (que se encontra actualmente em Bruxelas para evitar ser preso).

Há dois anos, os partidos separatistas tinham conseguido 72 deputados, o que lhes permitiu formar um governo que organizou, em Outubro, um referendo de autodeterminação, considerado ilegal pelo Estado espanhol.

Na quinta-feira, numa das mais eleições mais participadas de sempre na região, o partido mais votado foi o constitucionalista Cidadãos. É a primeira que um partido unionista vence as eleições na Catalunha.

Contudo, um decreto de 1980 define pesos diferentes para as várias circunscrições eleitorais, valorizando os votos das zonas rurais e levando a equilíbrios de forças no parlamento que vão além dos resultados simples das urnas.

Daí que o bloco independentista Junts per Catalunya tenha, apesar de ter recolhido menos votos, alcançado a maioria absoluta.

Na Bélgica, onde está fugido à justiça espanhola que o acusa de sedição, rebelião e peculato, Carles Puigdemont, líder do Junts per Catalunya (constituído pelos separatistas Juntos pela Catalunha, Esquerda Republicana da Catalunha, CUP, num total de 34 deputados) disse que as eleições resultaram numa “maioria de votos e de deputados eleitos que pede um novo referendo”.

Os partidos independentistas obtiveram 21% dos votos, mas 70 dos 135 lugares do parlamento, um número que sobe para 78 lugares se forem contabilizados os defensores de um novo referendo legal (partidos independentistas mais CatComú-Podem).

O Cidadãos obteve 25% dos votos, mas 37 lugares. A cabeça de lista, Inés Arrimadas, admitiu que não poderá ser chefe do governo regional e considerou a “lei injusta”, por dar “mais lugares a quem tem menos votos” na rua.

“Apostámos na união dos catalães, votámos a favor da convivência, de uma Catalunha para todos os catalães. A maioria sente-se catalã, espanhola, europeia e vai continuar a sê-lo”, afirmou.

O principal derrotado foi o PP da Catalunha (PPC) que obteve apenas três lugares. Os socialistas (17 lugares) também ficaram aquém do esperado e pediram aos independentistas que abandonassem a “via ilegal” do secessionismo.

Apesar da vitória do bloco pró-independência, nas ruas foi mais sentida a festa do Cidadãos por muitos independentistas considerarem que estas eleições foram impostas por Madrid. Contudo, na sede do Junts per Catalunya, reinava a euforia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Atento
    22 dez, 2017 Leça da Palmeira, Matosinhos 10:02
    A independência da Renascença... a foto de entrada é de quem perdeu e não da vencedora ... o habitual.