|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Paula Brito e Costa suspensa da Raríssimas

20 dez, 2017 - 18:42

Foi instaurado um "procedimento prévio de inquérito" à actuação da antiga presidente, que mantém o cargo de directora-geral da Casa dos Marcos.

A+ / A-

Veja também:


A direcção da associação Raríssimas anunciou esta quarta-feira a suspensão preventiva de Paula Brito e Costa por um período de 30 dias.

“Tendo em consideração os indícios que recentemente se tornaram públicos e que poderão constituir, entre outros, um ilícito laboral, a diecção da Raríssimas deliberou instaurar um procedimento prévio de inquérito para investigar a alegada violação dos direitos de sigilo, obediência e lealdade para com o empregador por parte de Paula Cristina de Brito Cardoso da Costa", refere um comunicado da direcção da associação que ajuda pessoas deficientes e com doenças raras.

Foi também instaurado um "procedimento prévio de inquérito" à actuação da antiga presidente, que mantém o cargo de directora-geral.

Devido ao risco de "perturbação do inquérito" ficou decidido que Paula Brito e Costa fica suspensa durante um período de um mês.

“Considerando que a presença da ex-presidente no local de trabalho pode ser susceptível de perturbar as averiguações do processo de inquérito, foi decidido, nos termos do nº 2 do artigo 354 do Código do Trabalho, proceder à suspensão preventiva, por 30 dias, com efeitos imediatos.”

Paula Brito e Costa regressou esta quarta-feira ao trabalho na Casa dos Marcos, que pertence à associação Raríssimas.

Chegou da parte da manhã e deixou as instalações de carro, pelas 17h15, acompanhada pelo marido, que escondeu completamente a cara com o capuz de um casaco.

Logo a seguir saiu outro carro conduzido pelo segurança com o qual Paula Brito e Costa se apresentou na Casa dos Marcos pela primeira vez depois de ter pedido a demissão, no dia 13, na sequência de uma reportagem da TVI sobre alegada gestão danosa.

A investigação da TVI mostrou documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social, nomeadamente de Paula Brito e Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro para diversos gastos pessoais.

O caso já provocou a demissão do secretário de Estado da saúde Manuel Delgado, que em 2013 e 2014 foi consultor da Raríssimas, com um vencimento de três mil euros por mês, tendo recebido um total de 63 mil euros.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • santos
    21 dez, 2017 leiria 09:10
    Mas afinal quando é que esta Sra vai presa, ou o poder politico esta a fazer tudo para que isso não aconteça porque ela sabe muita coisa
  • Aiaiai
    21 dez, 2017 Lisboa 08:51
    Belo abutre!
  • Vitor
    21 dez, 2017 Lisboa 08:44
    Esta faz-me lembrar o 44. chegou das Beiras, arranjou a custa de não sei ainda o quê um cargo pomposo e deslumbrou-se com o bajulamento recebido pelos seus aduladores. Depois acordam.
  • Toni
    21 dez, 2017 lisboa 08:00
    Como são as coisas! A esta depois do que ela fez e existem pelo menos provas documentais para além das visíveis a olho nu, nomeadamente um carro topo de gama para quem vive de caridade, nada mais normal, e, apenas foi suspensa, porquê? Porque é amigo porque a quem não é amigo despedem com justa causa, que de justa nada tem e dizem ao trabalhador, vá para tribunal porque o tempo que demora o processo eu já cá nem estou e depois se tiver que o indemnizar o dinheiro não é meu tanto faz! Agora você vai para a rua até à decisão você deixou de ser trabalhador da casa. Isto é o que acontece a quem eles não gostam. Embora não haja nenhuma causa para despedir nem em sonhos quando ele querem correr com alguém fazem assim. Esta é amiga é só suspensa, e, haveria por certo causa de despedimento. Coisas do socialismo!
  • Maria
    21 dez, 2017 lisboa 07:49
    É inacreditável este discurso obsoleto do fascista da direita, mas que disparate e que papão é este. Pergunto quantos governos da dita direita já existiram após o 25 de Abril? Em quantos é que houve falta de liberdade de expressão ou outra? Tenham vergonha porque o Salazar já morreu há muitos anos. O que eu tenho visto é a "dita" esquerda servir-se dos portugueses, das suas contribuições para enriquecerem sem que haja fiscalização alguma. O que eu tenho visto é desviar dinheiros públicos por todo o lado. E toda a esta gente continua de "consciência tranquila". Será que alguma vez a tiveram? cambada de cegos ou não!!!! É aquela velha conversa o que vem da esquerda não é crime. O que se faz na Venezuela é democracia de esquerda, o povo está todo errado, o Maduro é o único que está certo, mas como disse não há problema porque ele é de esquerda, neste caso os presos que se opõem ao regime, não são presos políticos, mas só maduro e a esquerda da treta saberão o que são, mas isso pouco importa! A verdade é que os políticos de uma ponta à outra, da direita à esquerda, procuram todos o mesmo, servirem-se a eles próprios e não o país por isso está tudo errado!!!!
  • José Silva
    21 dez, 2017 Sierre 06:46
    Em Portugal já não há cura para a doença (corrupção) que está profundamente incrustada na mentalidade e sociadade portuguesa.será que já não há messoas honestas para se fazer o mesmo que fez a Islandia? Meter todos os políticos ,banqueiros e todos os corruptos na cadeia ? Falta um pulso forte e honesto para seguir o exemplo da Islandia que conseguiu sair da bancarrota com pessoas honestas oriundas do povo trabalhador.
  • Rafaela
    21 dez, 2017 Lisboa 02:17
    Então está a ser averiguada e tem acesso às instalações para poder eliminar provas e talvez caçar testemunhas? Mas que é isto??? Tem de ser despedida e presa por desvio de verbas as quais não lhe pertenciam. Ela roubou!!! Tem de ser presa mas que impunidade é esta? Quantos tem ela presos pelo colarinho? Que poder tem esta mulher? Nós como povos temos de exigir justiça não é comer e calar. Quem sofre no meio de isto tudo é a associação que como vemos era apenas um multibanco disfarçado para esta nojenta
  • Jose Mendes
    21 dez, 2017 Lisboa 02:10
    Felix Lamartine, aprender a ler português é capaz de ser dificil, mas Paula Brito e Cunha para Paula Cristina de Brito Cardoso da Costa, qual é parte que não consegue distinguir!!!
  • Fernando Cardoso
    21 dez, 2017 Algés 00:19
    Afinal a sra é "da Costa" ou "e Costa"? porque é que a imprensa lhe continua a alimentar o ego?
  • Felix Lamartine
    20 dez, 2017 Porto 23:41
    Mas a Paula Brito e Cunha não é do PSD? Ela não fez parte da comissão de honra aí numa autarquia qualquer?