|
A+ / A-

António Costa anuncia défice abaixo de 1,3%

21 dez, 2017 - 17:18

Na apresentação de saudações natalícias ao Presidente da República, o primeiro-ministro recordou a tragédia dos fogos como "um choque colectivo" e uma "grande lição para todos nós".

A+ / A-

O défice orçamental deste ano vai ficar abaixo de 1,3%, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro. O valor é melhor do que o previsto (1,4%).

António Costa falava na apresentação das saudações de Natal ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, uma cerimónia que decorreu no Palácio de Belém.

“Vamos ter este ano o ano de maior crescimento económico deste o princípio do século, tivemos o ano passado o menor défice da nossa democracia e este ano vamos ter um défice, que hoje já podemos dizer sem causar arrepios ao sr. ministro das Finanças, que será inferior a 1,3%”, declarou o chefe do Governo.

“Do ponto de vista financeiro fomos capazes de virar a página e de construir um futuro de esperança e de confiança para todos portugueses" salientou.

O desemprego está a baixar e a confiança dos portugueses a aumentar, sublinhou. Sinal "de que a confiança do país está a aumentar" é o regresso dos emigrantes a Portugal, argumentou.

Na apresentação de saudações natalícias, António Costa recordou os grandes incêndios deste ano, que provocaram mais de 110 mortos.

“Foi um choque colectivo para todos nós. Não diminui a capacidade do país de reagir nas horas más e de responder”, afirmou o primeiro-ministro.

A resposta à tragédia dos fogos de Junho e Outubro é um "exemplo notável de resiliência das populações, que resistiram à dor e vão fazer renascer aquele território".

"Foi uma grande lição colectiva para todos nós. No fundo é um pouco a história do país nos últimos anos", disse António Costa.

Com o novo ano vêm também "responsabilidades". É preciso "fazer face a emergência, reconstruir, garantir que em 2018 não aconteça o que de inaceitável aconteceu em 2017", frisou.

"Ao mesmo tempo, é preciso trabalhar no médio e logo prazo: floresta ordenada e interior revitalizado", perspectivou o chefe do Governo nesta visita ao Palácio de Belém.

"Tem perante si um Governo com confiança, ciente das responsabilidades, com enorme vontade de prosseguir o caminho com pé firme, para qua caminhada se faça com confiança", disse António Costa ao Presidente da República.

Na sua intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa prometeu "solidariedade institucional" ao Governo, elogiou o comportamento dos portugueses face às tragédias deste ano e disse que o povo quer "estabilidade política e financeira".

“A sensatez do povo português foi essencial em 2017. É importante sentirem que os que têm responsabilidade política estão próximos deles. Essa ligação é fundamental”, declarou o Presidente.

O Presidente também pediu paz social na Autoeuropa. "Que não se corra o risco de aventuras", alertou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Eborense
    21 dez, 2017 Évora 18:05
    O Governo está a fazer de tudo para acabar com a geringonça. Baixar o défice e a dívida pública é uma afronta ao Tio Jerónimo Young-Un e à Dr.(a) de Teatro Catrina. Se isto continuar assim, não vamos ter orçamento para 2019.
  • ó madala
    21 dez, 2017 lis 17:59
    Vê se consegues tirar essa espinha encravada na garganta!...É dura e a azia também é grande! Não há Kompensan que a trate!...
  • jcs
    21 dez, 2017 Funchal 17:55
    Que excelente noticia, só vem provar que António Costa é o lider certo para o País, é claro que os partidos da oposição e seus seguidores vão fazer uma campanha no sentido de menorizar estes e outros excelentes resultados, nada que já não estejamos habituados, ou então nem "piam".
  • Madala
    21 dez, 2017 Évora 17:49
    Dizia este que Passos Coelho tinha obceção pelo deficit embora a isso fosse obrigado. Este o que tem?