|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Do voto útil à "roleta russa”. Assim fechou a campanha na Catalunha

20 dez, 2017 - 00:38

Líder independentista Carles Puigdemont apelou ao voto útil, enquanto a candidata do partido Cidadãos pediu a confiança dos eleitores para manter a Catalunha e Espanha unidas.

A+ / A-

A campanha eleitoral para as eleições na Catalunha terminou esta terça-feira, com os movimentos pró e anti-independência a fazerem os derradeiros apelos ao voto.

Numa intervenção em directo a partir de Bruxelas e retransmitida numa centena de ecrãs espalhados pela Catalunha, o líder independentista catalão Carles Puigdemont pediu o voto útil para voltar a recuperar o seu lugar de presidente da região.

"Se sou investido presidente entrarei no Palau da Generalitat [palácio do executivo catalão] acompanhado de todo o governo legítimo", assegurou Puigdemont numa intervenção que marcou o final da campanha oficial da lista "Juntos pela Catalunha" para as eleições regionais que vão ter lugar na quinta-feira.

A intervenção em directo, apresentada como um megacomício de encerramento da campanha da lista "Juntos pela Catalunha", foi transmitida para cerca de 100 espaços públicos na comunidade autónoma.

Na fila da frente do comício havia várias cadeiras vazias, com o nome de Puigdemont e outros candidatos que o acompanham no seu refúgio belga ou que estão presos preventivamente numa prisão dos arredores de Madrid por suspeitas de delitos de rebelião, sedição e peculato.

Inés Arrimadas, a candidata do partido Cidadãos, apelou ao “voto em massa” contra o independentismo e pediu para “ninguém ficar em casa” nas eleições de quinta-feira.

“Que ninguém jogue desta vez, não estamos para jogar à roleta russa”, declarou Inés Arrimadas, enquanto os seus apoiantes gritavam “presidenta, presidenta”.

O líder do Cidadãos, Albert Rivera, também marcou presença no discurso de encerramento, criticando aqueles que tentaram separar a Catalunha de Espanha.

O último dia de campanha do partido Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) ficou marcada pela ausência do líder Oriol Junqueras, que se encontra detido pelo seu envolvimento no referendo à independência realizado em Outubro.

Os dirigentes do partido visitaram Junqueras numa prisão de Madrid, debaixo de uma grande cobertura da comunicação social.

“Junqueras está detido porque é o melhor candidato a liderar a Catalunha do futuro”, declarou Raul Romeva.

As sondagens indicam que a ERC e o Cidadãos estão à frente na intenção de votos dos catalães, com cerca de 23 a 25% dos votos.

Mais atrás estão o Juntos pela Catalunha, de Carles Puigdemont, e o Partido Socialista Catalão (PSC), entre os 15 e os 20% dos votos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J.Batista
    20 dez, 2017 Lisboa 12:51
    Esta é a cristas da espanha com a nuance de servir de ariete ao PP por este não ter a coragem de assumir a luta e a derrota clara e visível. Esta menina enche a boca de "unidade, bondade, convivência", etc. tal qual a santamaria e o rajoy o fazem sem vergonha. Mas os catalães lembrar-se-ão certamente daquele dia de Outubro, no "parlament" onde vomitou os mais hediondos insultos e onde tratou os seus iguais da "generalitat" abaixo de cão, repetidamente e aos gritos parecendo não se querer calar, numa histeria só comparada ao líder do PP que afinou também por igual fraseado insultuoso e de caráter rasteiro e sórdido, curiosamente igual aos direitistas de Portugal sem educação semelhante. O ciudadanos faz-me lembrar o partido que "deram" ao Eanes para destruir o PS e3 depois desapareceu e que a andaluza Ines Arrimadas ostenta como destino inevitável. Embora estas eleições estejam já adulteradas com a intervenção de Rajoy com um aumento de SMI de 4% e a promessa populista e demagógica de chegar aos €850 em 2020 para o que seria necessário dois aumentos em 2019 e 2020 de 18% em cada ano, o que é impossível, serve para as eleições, tal é o desespero de rajoy e os seus sabujos do ciudadanos que conjuntamente com o podemos destruíu o PSOE. Tal e qual, como em Portugal...
  • sergio machado
    20 dez, 2017 Oeiras 08:56
    Viva a Republica....
  • sergio machado
    20 dez, 2017 Oeiras 08:56
    Viva a Republica....