|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Marcelo: manter Raríssimas em funcionamento é "questão de bom senso"

16 dez, 2017 - 14:31

"É uma questão de bom senso, aquelas crianças e aqueles adultos não têm culpa do que se têm passado", disse o Presidente da República.

A+ / A-

O Presidente da República considerou este sábado que é uma "questão de bom senso" manter a Raríssimas em funcionamento salientando que as crianças e adultos que usufruem do trabalho daquela instituição "não têm culpa" do que se tem passado.

Em Braga, à margem de uma visita ao Presépio Vivo de Priscos, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a salientar que é preciso investigar "tudo e rápido" que envolve as suspeitas de desvio de fundos e administração danosa da Raríssimas, sem responder diretamente à questão se a manutenção do ministro da Segurança Social no Governo é viável.

"Primeiro investigue-se tudo rapidamente e com toda profundidade, tudo e rápido, segundo, não se esqueça aqueles milhares de pessoas que dependem e não têm culpa do que aconteceu, terceiro, respeite-se aquilo que na grande maioria dos casos é o exemplo das misericórdias e das Instituições Privadas de Solidariedade Social", respondeu o chefe de Estado.

Questionado se o Governo estava a agir corretamente e a fazer tudo para manter a Raríssimas em funcionamento, o Presidente da República mostrou concordar com a escolha do executivo.

"É uma questão de bom senso, aquelas crianças e aqueles adultos não têm culpa do que se têm passado", disse.

Uma reportagem divulgada em 9 de Dezembro pela TVI deu conta de alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, tendo apresentado documentos que colocam a agora ex-presidente da associação, Paula Brito e Costa, como suspeita de utilizar fundos da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) para fins pessoais.

Entre as irregularidades apontadas, conta-se a compra de vestidos de alta costura, de bens alimentares caros e o pagamento de deslocações, apesar de ter um carro de alta gama pago pela Raríssimas. Além disso Paula Brito e Costa terá também beneficiado de um salário de três mil euros, de 1.300 euros em ajudas de custos e de um Plano Poupança Reforma que rondava os 800 euros mensais.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Eu aki
    18 dez, 2017 Em casa 11:31
    Mas é claro que temos que ter bom senso. Mesmo que custe uns milhões em roubarias aos contribuintes, claro, temos que manter o bom senso, mostrar uma certa imagem, por que tem-se o índice de corrupção anual a defender. Por isso, roubemos, mas mantenhamos o bom senso. Este Marcelinho, depois que foi para o poleiro da presidência, também alinha cada vez mais nos estratagemas da corrupção. Por fora, via dando uns beijinhos aqui e ali, principalmente às pessoas das camadas mais pobres da sociedade. E porque ? Para propagar a tal imagem do bonzinho, do preocupado com o povinho, etc. E é disse que o povinho gosta : que façam de contas que se preocupam com ele. Mas, no fundo, agora que lá está a embolsar suas opiniões alinham-se cada vez mais com os elementos do governo, pois como já deve estar a mandar para os bancos Suíços, ou do Luxemburgo, sabe que também entra na roda em caso de averiguações. Afinal de contas, não estamos sempre todos de "consciência tranquila" ?!