Tempo
|
A+ / A-

Puigdemont pede à UE que escute os catalães

08 dez, 2017 - 15:56

A Catalunha vai a eleições em 21 de Dezembro, convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy.

A+ / A-

O ex-presidente do Governo da Catalunha e líder do movimento eleitoral Juntos pela Catalunha, Carles Puigdemont, disse que não perde “a esperança” na Comissão Europeia e pediu ao executivo comunitário que escute os cidadãos.

Numa conferência de imprensa por vídeo, a partir de Bruxelas, depois de na quinta-feira a Comissão Europeia ter dito que os independentistas têm direito a expressar as suas ambições políticas mas que devem respeitar o Estado de direito, Puigdemont afirmou que não perde a “esperança” de que possa haver uma mudança de discurso mas também disse que lhe interessa mais “o que pensam dentro de portas do que o que dizem fora”.

Afirmou ainda que, depois da manifestação em Bruxelas esta quinta-feira - que segundo a polícia juntou 45 mil pessoas pela independência da Catalunha -, é “impossível” que na União Europeia “não entendam a realidade”.

O líder independentista sublinhou que o dever da Comissão Europeia é assegurar que os Estados protejam "a Carta dos Direitos Humanos e as directivas europeias" e pediu ao executivo comunitário para não só ouvir os Estados-membros, mas também os cidadãos, pois "aqueles que se manifestaram na quinta-feira são cidadãos europeus".

Esses manifestantes não foram para a capital belga para apoiar qualquer "gangue de criminosos", disse Puigdemont, acrescentando que está "muito feliz" pelo modo como correu a manifestação pela independência e a mensagem "alta e clara" transmitida na capital europeia.

A Catalunha vai a eleições em 21 de Dezembro, convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, em 27 de Outubro passado, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional presidido por Carles Puigdemont.

Os partidos separatistas ganharam as últimas eleições regionais, em 2015, o que lhes permitiu formar um Governo que organizou um referendo de autodeterminação em 1 de Outubro último, que foi considerado ilegal pelo Estado espanhol.

Após a destituição do governo, Carles Puidgemont refugiou-se na Bélgica argumentando não confiar na democracia e autoridades espanholas.

É desde aí que tem feito campanha pelo movimento ‘Juntos pela Catalunha’, que é cabeça de lista para as eleições regionais de 21 de Dezembro próximo, através de intervenções por videoconferência.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bela
    09 dez, 2017 Coimbra 19:46
    Este fulano não tem a mínima vergonha. Lançou o 'fogo ao circo' sem se preocupar com as consequências, e agora quer que Comissão Europeia escute os cidadãos catalães? Enfim...
  • joao almeida
    08 dez, 2017 Aveiro 19:21
    escutar os catatalaes só fazendo o referendo legal e honesto ..mas isso não queres .....o queres é ser chefe de estado de um país mesmo artificial
  • Teresa
    08 dez, 2017 Lisboa 19:04
    Não há CATALÃOS mas sim CATALÃES. Portanto ninguém os ouve.
  • André
    08 dez, 2017 Lisboa 19:02
    Podem ser independentes... PROIBIDOS de usar o Euro como moeda e PROIBIDOS de ter passaportes europeus. Assunto arrumado. Podem ser independentes e fazer o que quiserem. Daqui a 8 anos, se conseguirem provar que cumprem os pedidos, podem aderir ao Euro e avançar com o pedido de adesão à União Europeia. Até lá, ser catalão é igual a ser do Bahrain. Tem de pedir visas para poderem passar as fronteiras e tem de usar uma moeda própria nas suas operações internas. Pena é que a liderança Catalã acha que pode ser independente e ter direito a tudo o que a Europa permite à Espanha, sem que a Catalunha tenha de comprovar que é capaz de cumprir o que é necessário... Pena é que existam tantos catalães iludidos a pensar que podem ter tudo o que a Espanha permite ter, sendo eles sozinhos. Já perderam mais de 37% da economia local, mesmo sem ficarem independentes.
  • demosteles
    08 dez, 2017 freita 18:47
    Os "catalãos"????Catalãos???
  • F Soares
    08 dez, 2017 A da Gorda 18:29
    Este caramelo não sabe o que quer. Era pela UE ( até tentou enganar os catalães com a foto da estrelada e da UE ,juntas sem a bandeira de Espanha).e afirmou que a UE o apoiava . Tava tudo resolvido, no problms etc e tal.. Depois fugiu para a UE. Como levou negas de apoio que, dizia estava feito, , passou a dizer que a UE devia desaparecer. Depois fez manifestações junto com extrema direita radical belga, em Bruxelas ( com manipulações policiais de qty de pessoas e bandeiras estreladas nos carros de policia, o que deu origem a um protesto espanhol junto ao governo de Bruxelas). Agora pede ajuda à UE. . Aquela cabeleira escalfa a mioleira e não o deixar pensar direito . Outro que deve ir ao psiquiatra|
  • Eçadekeiroz Beirão
    08 dez, 2017 Coimbra 18:26
    Então mas este "Porco Montês" (Pig-de-mont), desertor, criminoso, não devia estar preso ?. É como eu digo, as cadeias não são feitas para estes figurões. Pior é que o "povo cego", embarca nas manobras dos POLÍTICOS( político, é nome mais feio que se pode chamar a alguém), os quais em chegando ao poder, tudo farão para escravizar esse mesmo povo, e roubar o mais que puderem. Eu gostava de saber onde é que este figurão e os seus acólitos, foram buscar o dinheiro para pagar a viagem aos milhares de catalães que foram a Bruxelas fazer aquele golpe de teatro.
  • Lucas
    08 dez, 2017 Lisboa 17:04
    Duvido que haja alguma mudança de discurso por parte da Comissão Europeia relativamente à independencia da Catalunha. Porque isso só iria abrir as portas para outras regiões que buscam a independencia. Mesmo as 45 mil pessoas que estiveram em Bruxelas acaba por ser minimo tendo em conta que a catalunha tem uma população de 7.5 milhoes de habitantes. Nada tenho contra ou a favor da independencia da catalunha mas acho que na realidade se queriam a independencia devia tê-lo feito de outro modo. Essa da "fuga" do Puigdemont para a Belgica também não me parece ter sido uma decisão muito inteligente... quem não deve não teme