|
A+ / A-

​Seca. Espanha recusa fixar caudais mínimos diários dos rios que desaguam em Portugal

28 nov, 2017 - 10:30

Responsáveis de Portugal e Espanha estiveram reunidos durante dois dias, no Porto, para debater questões relacionadas com a seca que se faz sentir nos dois países.

A+ / A-

Veja também:


Espanha afasta, para já, a possibilidade de estabelecer caudais mínimos diários dos rios que desaguam em Portugal.

A pretensão foi avançada pelo Governo português na reunião mantida entre os dois países sobre a actual situação de seca, no âmbito da Comissão para a Aplicação e Desenvolvimento da Convenção de Albufeira.

Em declarações aos jornalistas, a ministra espanhola da Agricultura, Pesca, Alimentação e Ambiente, Isabel García Tejerina, refere que essa hipótese não está contemplada na convenção assinada pelos dois países. O documento sobre a gestão comum das águas prevê o estabelecimento de caudais mínimos semanais.

Na conferência de imprensa conjunta, o ministro do Ambiente português, Matos Fernandes, garantiu que Espanha está a cumprir com as suas obrigações.

“Portugal reconhece o enorme esforço que Espanha teve de fazer”, afirmou Matos Fernandes, referindo-se à situação específica do Douro. “Espanha teve grande dificuldade. Aquilo que se verificou foi que por muito pouco esse regime não foi cumprido”, acrescentou o ministro português.

A Convenção sobre Cooperação para a Protecção e o Aproveitamento Sustentável das Águas das Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas (Convenção de Albufeira), foi assinada pelos dois países na Cimeira de Albufeira em 30 de Novembro de 1998.

O ministro do Ambiente já admitiu que o preço da água pode vir a subir, embora garantindo que as tarifas vão manter-se no próximo ano porque já estão aprovadas.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a 15 de Novembro cerca de 6% do território estava em seca severa e 94% em seca extrema.

A situação levou o Governo a lançar uma campanha de sensibilização para a poupança de água. “Uma torneira aberta durante um minuto pode gastar 12 litros de água”, lê-se no anúncio, onde se recorda ainda que, segundo as Nações Unidas, “um ser humano precisa de 110 litros de água por dia”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lusitanea
    29 nov, 2017 Covilhã 11:56
    Mário Rodrigues, você é daquelas pessoas que calado era um poeta! Eles estão em seca extrema tal como nós, óbvio que vão sempre tentar defender os seus interesses. Os cidadãos é que tem de ter maior consciência no que ao consumo de água diz respeito! Os nossos governantes é que devem pensar em formas de aproveitar as águas pluviais fazendo lagos para as reter e depois tratar. Construir mais barragens e criar infraestruturas para aproveitar ao máximo a água.
  • Cidadao
    28 nov, 2017 Lisboa 15:38
    Reforçar construção de pequenas barragens, apostar em transvases, e construir estações de dessalinização de água do Mar, tudo isto, acompanhado de ações de sensibilização para poupança de água - se necessário com recurso ao que mais dói que é o bolso. E quanto à Espanha, retaliar ao nosso nivel, começando a ser mais exigente na fiscalização aos pesqueiros espanhóis que pilham as nossas águas- ainda são nossas não são, ou também já as deram?
  • José Manuel Andrade
    28 nov, 2017 Seixal 14:22
    O governo Português, devia apostar na construção de Estações Dessalinizadoras, ao longo de toda a costa (de Sul a Norte). Apesar do custo elevado que representam, era um meio de atenuar o problema da seca. A própria Espanha, possui várias ao longo da costa Mediterrânica
  • ricardo
    28 nov, 2017 braga 13:47
    Já dantes diziam de Espanha, nem bons ventos, nem bons casamentos
  • qwert
    28 nov, 2017 Porto 13:44
    Sócrates quando foi ministro do ambiente, fez muitas barragens e diques por todo o país (10 acho ..) o problema é que não fizeram os estudos necessários e estão todas rotas e não retêm agua nenhuma.... É o que dá se " chico esperto ". Gastou-se o dinheiro, estragaram-se os terrenos, e agua nicles .....
  • Vai la vai
    28 nov, 2017 Elvas 13:43
    Negócio com espanhois??? Impossível. Ou é como eles querem ou então nada.!! Faz parte dos seus genes. Dessa reunião não vai sair nada. Para os espanhois o que é europeu também é deles. O que é deles ......é só DELES.
  • Às armas, às armas
    28 nov, 2017 Lisboa 13:42
    Invada-se a Espanha. A Cristas já apelou à mobilização geral? E o Passos com a bandeira na lapela está disposto a comandar o nosso exercito? Onde pára a direitalhanacionalista?
  • 777seven
    28 nov, 2017 Faro 13:40
    Haha! Esquerdopatas, vão subir a água para pagar alguma conta que fizeram! Era mesmo fazer um dique e inundar logo estes espanhois! E quem nao gostar que vá!
  • 28 nov, 2017 LX 13:39
    Na UE cada um por si ! E não tivessem gasto dinheiro em auto-estradas sem transito para uma economia disfuncional...
  • r
    28 nov, 2017 13:30
    Se nos roubaram as Canárias, Ceuta e até as Filipinas foram descobertas por um português, mais facilmente nos roubam a água.