|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Seca motiva reunião entre Portugal e Espanha

27 nov, 2017 - 07:02

A "gestão comum das águas" é um "problema" que preocupa o ministro português.

A+ / A-

Portugal e Espanha discutem segunda e terça-feira, no Porto, a actual situação de seca nos dois países, no âmbito da Comissão para a Aplicação e Desenvolvimento da Convenção de Albufeira.

A reunião conta com a presença do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que já admitiu que o preço da água pode vir a subir, embora garantindo que as tarifas vão manter-se no próximo ano porque já estão aprovadas.

A Convenção sobre Cooperação para a Protecção e o Aproveitamento Sustentável das Águas das Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas (Convenção de Albufeira), foi assinada pelos dois países na Cimeira de Albufeira em 30 de Novembro de 1998.

Matos Fernandes afirmou que pretender começar a discutir com Espanha a "gestão comum das águas", admitindo tratar-se de um "problema" que o preocupa.

"Há um conjunto de temas que queremos acrescentar à discussão que temos vindo a fazer: o tema da qualidade da água (...), a gestão comum das águas e as alterações climáticas no novo regime de planeamento", disse aos jornalistas, quando questionado sobre a agenda desta reunião plenária.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a 15 de Novembro cerca de 6% do território estava em seca severa e 94% em seca extrema.

A situação levou o Governo a lançar uma campanha de sensibilização para a poupança de água. “Uma torneira aberta durante um minuto pode gastar 12 litros de água”, lê-se no anúncio, onde se recorda ainda que, segundo as Nações Unidas, “um ser humano precisa de 110 litros de água por dia”.

A campanha é uma iniciativa conjunta do Governo, da Águas e Portugal, da Agência Portuguesa do Ambiente e da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR).

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    27 nov, 2017 Santarém 22:11
    Por enquanto ainda vamos discutindo a gestão das águas, no entanto e tendo em consideração de que a humanidade além de ser possivelmente a maior culpada por toda esta alteração climática ficou também adormecida sem procurar soluções válidas contra a falta de água enquanto os oceanos por seu lado irão aumentar de volume com o degelo dos pólos os humanos ainda não conseguiram descobrir uma forma eficaz e barata da dessalinização das águas para inverter a situação, se no passado tanta coisa se descobriu que muitos certamente nunca acreditariam ser possível no presente embora esse método já exista mas sendo caro tudo parece ter ficado por aqui acomodados como se nada mais fosse necessário, desta forma evitar-se-ia a subida dos oceanos e compensar-se-ia as secas em parte.
  • AA
    27 nov, 2017 LX 11:02
    OS POLÍTICOS PORTUGUESES DEVEM DEFINITIVAMENTE COMEÇAR A DEFENDER A SÉRIO OS INTERESSES PORTUGUESES EM VEZ DE SUBMETEREM COMO SEMPRE FAZEM COM ESPANHA.