A+ / A-

Preço da água pode subir em 2019

23 nov, 2017 - 13:22

Para o ministro do Ambiente, é preciso apostar na "eficiência hídrica” numa altura em que o país vive um período de seca.

A+ / A-

O ministro do Ambiente admitiu esta quinta-feira que o preço da água possa vir a subir, mas garante que as tarifas se vão manter no próximo ano, porque “já estão aprovadas”

À margem da conferência anual do BCSD – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável Portugal, o ministro João Matos Fernandes disse aos jornalistas que “é fundamental falar em eficiência hídrica, e o preço é um factor quando se fala em eficiência”.

O ministro lembrou que “as tarifas de 2018 já estão aprovadas”, mas que é preciso repensar o seu preço “em tempos de escassez”.

“Nos últimos anos tem-se falado muito em eficiência energética, este é o tempo de percebemos que tem se de falar de eficiência hídrica”, sublinhou o governante, lembrando que o país vive tempos de escassez e que “não há maneira de produzir mais energia”.

O Governo admite também reduzir a quantidade de água que as empresas que fazem descargas nos rios podem captar, no âmbito de uma reavaliação a todas as licenças atribuídas, anunciou hoje o ministro do Ambiente.

“Vamos reavaliar todas as licenças. É um trabalho que se faz uma a uma”, afirmou o ministro João Pedro Matos Fernandes, acrescentando que “em Janeiro ou Fevereiro o trabalho deverá estar concluído”.

“Em algumas licenças, em alguns sectores e em algumas zonas mais críticas, [as empresas] podem ter que reduzir a quantidade de afluentes que podem rejeitar ou reduzir a quantidade de água que podem captar, afirmou.

O ministro sublinhou que as licenças passadas a estas empresas têm em conta “um dia, uma semana ou um mês padrão” e que, por isso, prevêem a possibilidade de serem revistas em baixa em caso de seca ou fenómenos climáticos excepcionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo
    25 nov, 2017 Belas 21:33
    quando chove demais ninguem se lembra de baixar o preço da agua, tambem só se lembram das campanhas para poupar quando á seca, aqui para os lados do Cacem e massamá norte a fartura é tal que os sistemas de rega automatico atuam de noite e de dia até mesmo quando está a chover
  • Filipe
    23 nov, 2017 évora 22:38
    Tudo a financiar a corrupção no incêndios e agora nas águas ... este ministro pensa que a água é igual a petróleo ! Só não taxam o oxigénio aspirado pelas pessoas em Portugal porque ainda não inventaram um contador para o medir ...
  • fanã
    23 nov, 2017 aveiro 16:58
    Não me admira , de quererem ir ao bolso dos Portugueses desta forma ; lembrem-se de terem em projecto o imposto sobre o Sol !!!!!...............cambada de vigários !
  • Victor
    23 nov, 2017 Lisboa 14:52
    Já não vai aumentar. A chuva reapareceu. Que aborrecido. Já não vamos importar água.
  • André Souza
    23 nov, 2017 vila pouca de aguiar 14:22
    Acordam tarde...mas enfim, mais vale!
  • TUGA
    23 nov, 2017 Lisboa 13:59
    AUMENTEM, JÁ ANTES QUE COMECE A CHUVER!!! ....SEMPRE A GAMAR!!!!!
  • mendes
    23 nov, 2017 braga 13:35
    tudo serve de desculpa para subir os precos cambada de ladroes