Tempo
|
A+ / A-

​Atrasos nos concursos “empurram” jovens médicos para privados ou estrangeiro

10 nov, 2017 - 06:51

Bastonário considera a situação demasiado grave e classifica a atitude do Governo como um "gravíssimo ataque ao Sistema Nacional de Saúde".

A+ / A-

A abertura do concurso público para colocação de médicos especialistas nos hospitais está atrasada meio ano. Há cerca de 600 recém-formados - que terminaram o internato em Abril - a aguardar pelo procedimento para poderem celebrar um contrato de trabalho num hospital público. Muitos destes jovens médicos são aliciados por hospitais privados e estrangeiros e acabam por desistir do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A notícia é avançada na edição desta sexta-feira do “Jornal de Noticias”. De acordo com o diário, só no último concurso dos especialistas de Medicina Geral e Familiar, que abriu em Setembro com um atraso de quatro meses, das 290 vagas abertas, 90 ficaram por preencher, diz ao JN o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha.

A situação preocupa o sindicalista. “São 170 mil utentes que continuam sem médico de família porque o Ministério da Saúde não teve capacidade para os contratar”, afirma.

Na mesma linha, também o bastonário da Ordem dos Médicos mostra-se indignado com a situação. Miguel Guimarães diz que é “demasiado grave para ser verdade” e classifica a atitude do Governo como um gravíssimo ataque ao Sistema Nacional de Saúde”.

Ainda esta semana, os médicos cumpriram um dia de greve que afectou consultas e cirurgias programadas. Os sindicatos pretendem uma redução das listas de utentes por médicos de família e uma redução de 18 para 12 horas semanais no serviço de urgência.

É ainda reclamada uma reformulação dos incentivos à fixação em zonas carenciadas, uma revisão da carreira médica e respectivas grelhas salariais e a diminuição da idade da reforma para os médicos, entre outras medidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • AO QUE DIZ AO
    10 nov, 2017 Lis 13:27
    Nota-se a fartazana, o seu comodismo de sofa, e a sua alergia a quem emite opinioes contrarias ao status quo présente, nao gosta ponha a borda do prato, ou entao, se tem coragem para isso, emigre.
  • Filipe
    10 nov, 2017 évora 12:58
    Agora querem ver para parecer bem ao Estado na troca de emprego por desconto no petróleo , enchem o sistema com gente dos Palop´s , México e países que exportam mão de obra humana em troca de favores , e este Portugueses que investem tem de sair ... só visto contado ninguém acredita !
  • Serafim
    10 nov, 2017 Lisboa 12:30
    Atrasar concursos em qualquer serviço do estado é uma forma subtil entre outras de cumprir os requisitos de Bruxelas.Neste caso menos médicos significa menos despesas em cadeia desde vencimentos a medicamentos ,exames,computadores,recursos humanos etc.O $ não dá para tudo e todos paciencia, talvez um dia longinquo chegue.
  • ao joão lopes
    10 nov, 2017 lis 11:21
    e Alberto, respectivamente do cavaquistão e do Funchal, são os saudosistas do "regime do empobrecimento", do anterior governo! Nem se apercebem que estamos a pagar os efeitos desse governo da caranguejola, que em 4 anos fez retroceder o país em 2 décadas! E não venham com a desculpa da bancarrota porque o problema foi a terapia aplicada que em vez de curar o doente, ministrava-lhe o remédio para a eutanásia!
  • DR XICO
    10 nov, 2017 LISBOA 10:59
    Isto funcionava tão bem no tempo do Passos Coelho, não era sr. bastonário? nem faziam greves, estava tudo perfeito, ñ houve cortes nos ordenados era só coisas boas no SNS. Os Médicos estão como os professores acordaram agora depois de hibernar 4 anos do governo do Tio Passos.
  • João Lopes
    10 nov, 2017 Viseu 09:50
    O Governo da geringonça social-comunista não cuida da saúde dos portugueses. As cati-vações exageradas têm grande impacto na vida dos portugueses. O SNS deve mais de mil milhões de euros a fornecedores. Há um atraso enorme nas consultas e nas operações, o que deixa ao abandono e desprotegidos, sobretudo os mais pobres. Os comunistas do PCP e do Bloco são coniventes com esta situação e estão vergonhosamente calados…
  • Alberto
    10 nov, 2017 Funchal 09:13
    Isto não era do Governo PSD? Ainda é Passos coelho o PM??
  • O bastonário
    10 nov, 2017 Ma 08:09
    Politiqueiro!...
  • Jornalismo
    10 nov, 2017 Lis 08:00
    Da Hipocrisia!
  • Pois é!
    10 nov, 2017 Lx 07:59
    Nos tempos em que nem concursos havia os jovens medicos eram empurrados para onde? Para a emigração forçada e que não fossem piegas!...4 anos de cortes cegos não podem ser resolvidos em 2 anos. Estamos a pagar as consequências em todas as areas! Destruir é facil e rapido! Construir é difícil e moroso!