|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Taxa turística em Lisboa pode subir até 2019

06 nov, 2017 - 09:20

No ano passado, a medida rendeu à autarquia 13 milhões e meio de euros.

A+ / A-

A medida faz parte do acordo camarário em Lisboa entre o Partido Socialista e Bloco de Esquerda “O valor da taxa turística será reavaliado até 1 de Janeiro de 2019”.

Segundo o “Diário de Notícias”, em 2018 não haverá alterações na taxa que é cobrada aos turistas que pernoitam em Lisboa, mas dentro de dois anos o actual montante de um euro pode ser revisto em alta.

Escreve o diário que esta foi a solução de compromisso encontrada entre as duas partes, que durante as negociações não chegaram a acordo quanto à subida imediata da taxa, uma exigência que o BE, pela mão do agora vereador Ricardo Robles, levou para a mesa das negociações.

Fonte camarária revelou que objectivo passa por avaliar primeiro a execução da taxa turística municipal, que no ano passado rendeu à autarquia 13 milhões e meio de euros, e só depois tomar uma decisão quanto a alterações ao valor que é cobrado aos turistas.

Tal como defenderam na campanha eleitoral, os bloquistas queriam que a taxa subisse para os dois euros - o valor que Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, tem defendido para a cidade - de forma a aumentar as receitas e investir quer na área da higiene urbana, quer na dos transportes públicos, sobretudo nas zonas da cidade que estão a sofrer maior pressão turística.

A taxa, em vigor desde 1 de Janeiro de 2016, traduz-se na cobrança de um euro por noite, até ao valor máximo de sete euros por dormida (por cada hóspede) em empreendimentos turísticos e estabelecimentos de alojamento local - que cobram aquele montante aos respectivos hóspedes e o entregam à câmara.

O orçamento deste ano prevê arrecadar 15 milhões.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    06 nov, 2017 Porto 16:11
    Taxas de transito e de peso, portagens e outros impostos sobre o comércio, mais elevados para os forasteiros do que para os cidadãos. Assim impôs o nosso Rei Dom Manuel, em 1500. Dá a impressão que esta malta de agora é que descobriu que os turistas, deveriam pagar uma taxa mais elevada. No tocante ao turismo que se vê pelas ruas aqui no Porto, uma grande percentagem, chega de manhã muito cedo ao aeroporto e parte o mais tarde possível para os países de origem. É mais um impostofobia sobre o turismofobia. O turista come umas sandes e bebe umas cervejas ou sumos e está feito. Somos um País (actualmente) de patetas alegres. Já alguém reparou que os iluminados que nos (des)governam durante as campanhas eleitorais não falam nisto ?
  • couto machado
    06 nov, 2017 Porto 15:55
    Taxas de transito e de peso, portagens e outros impostos sobre o comércio, mais elevados para os forasteiros do que para os cidadãos. Assim impôs o nosso Rei Dom Manuel, em 1500. Dá a impressão que esta malta de agora é que descobriu que os turistas, deveriam pagar uma taxa mais elevada. No tocante ao turismo que se vê pelas ruas aqui no Porto, uma grande percentagem, chega de manhã muito cedo ao aeroporto e parte o mais tarde possível para os países de origem. É mais um impostofobia sobre o turismofobia. O turista come umas sandes e bebe umas cervejas ou sumos e está feito. Somos um País (actualmente) de patetas alegres. Já alguém reparou que os iluminados que nos (des)governam durante as campanhas eleitorais não falam nisto ?