|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sarampo. Ministro diz que não há “motivo para alarme” e lembra que vacinar é proteger

31 out, 2017 - 09:44

Segundo Adalberto Campos Fernandes, o "inimigo biológico não deixou de existir".

A+ / A-

A mensagem do ministro da Saúde é clara: “Vacinar, vacinar é proteger”. Adalberto Campos Fernandes reage assim quando questionado sobre a notícia que revela que os portugueses estão mais vulneráveis ao sarampo.

“Essa apreciação não está no relatório e não foi dita pelo relatório. É uma interpretação que está do ponto de vista da leitura inadequada e que projecta um sentimento de alarme injustificado”, garantiu em Viseu, onde foi visitar os 15 feridos dos incêndios que estão internados no Hospital de S. Teotónio.

Segundo o ministro, tanto o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) como a Direcção-Geral de Saúde (DGS) vão explicar, esta terça-feira à tarde, os dados do Inquérito Serológico Nacional (ISN).

A imunidade de grupo contra o sarampo, que protege vacinados e não vacinados, já não existe em Portugal devido à diminuição do número de pessoas imunes à doença nos últimos 14 anos. É o que consta do ISN 2015-2016, desenvolvido pelo INSA e em que participaram 4.866 pessoas. Os dados vêm actualizar o último estudo, relativo a 2001-2002 e em que a seroprevalência para o vírus do sarampo era de 95,2%. O mais recente relatório aponta para 94,2% de indivíduos imunes à doença.

“Nós temos uma belíssima taxa de cobertura em termos globais e um dos melhores programas de vacinação da Europa. Vacinar é garantir que as nossas crianças estão imunizadas e protegidas contra doenças" que continuam a existir entre nós, afirmou Adalberto Campos Fernandes.

"Infelizmente – como o estudo indicia – a ausência de circulação do vírus e de consequências faz presumir que esse inimigo biológico deixou de existir, mas ele está presente nós temos que estar muito atentos e vigilantes”, afirmou o ministro, lembrando a facilidade das viagens e a interacção entre as pessoas.

“O apelo que se faz a todos os portugueses é que tenham bem presente a necessidade de cumprir o programa de vacinação”.

DGS vê com naturalidade resultados do inquérito

A directora-geral da Saúde disse encarar “com toda a naturalidade” os resultados do inquérito que aponta para o fim da imunidade contra o sarampo, lembrando a ocorrência este ano de dois surtos, que não se tornaram endémicos.

A imunidade de grupo contra o sarampo, que protege vacinados e não vacinados, já não existe em Portugal devido à diminuição do número de pessoas imunes à doença nos últimos 14 anos.

Graça Freitas salientou que a ocorrência este ano de dois surtos de sarampo, foram pequenos e que não se tornaram endémicos. “Eu diria que isso é a prova dos nove de que existe imunidade contra o sarampo em Portugal”, disse.

“Conhecemos estes resultados. O inquérito é apenas uma peça para avaliação de todo o impacto das nossas intervenções aqui neste caso nomeadamente nas doenças para as quais à vacina. Nós com periodicidade e mais regularmente (os inquéritos fazem-se de 10 em 10 anos) avaliamos as coberturas vacinais, vemos como a população se está a vacinar e depois avaliamos a evolução da doença no nosso país”, disse.

Graça Freitas lembrou que as vacinas do Programa Nacional de Vacinação estão todas controladas ou eliminadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    01 nov, 2017 évora 16:20
    ....compram as vacinas nos armazéns da Farinha Amparo aos lotes com desconto Cartão Jovem e nessa altura ainda não se sabe a estirpe ativa . Depois é enviarem o líquido no sangue a ver se funciona ... gente TARADA !
  • 31 out, 2017 palmela 11:51
    Pede a demissao se queres ficar com alguma credibilidde porque este governo ja perdeu toda sua credibilidade! Deste governo sobra o porta voz marcelo rebelo de sousa!