A+ / A-

Comissão Independente reage: responsáveis da Protecção Civil foram ouvidos

26 out, 2017 - 14:44 • André Rodrigues

Paulo Fernandes, especialista que integrou a comissão de peritos que investigou Pedrógão, diz à Renascença que essas pessoas foram ouvidas na Assembleia da República" durante o mês de Agosto.
A+ / A-

Veja também:

A Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de Pedrógao Grande e da região Centro, ocorridos em Junho, garante que ouviu os responsáveis pelos cargos de topo da Protecção Civil.

Em declarações à Renascença, Paulo Fernandes, especialista em incêndios e gestão florestal que integrou o grupo de peritos nomeado pelo Parlamento, assegura "que essas pessoas foram ouvidas na Assembleia da República" durante o mês de Agosto.

A resposta surge depois de o jornal "i" ter revelado excertos de um relatório interno da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) em que são apontados "erros e omissões" no relatório da Comissão Técnica Independente, que atribuiu a dimensão trágica do incêndio de Pedrógão a falhas de comando.

Contactada pela Renascença, fonte do ministério da Administração Interna confirma ter recebido este documento, de carácter secreto, a 19 de Outubro, precisamente um dia depois da demissão de Constança Urbano de Sousa.

Entre outras conclusões, o relatório que contraria a Comissão Técnica Independente diz que, ao contrário do que dizem os peritos, nenhum cargo de topo da Protecção Civil foi ouvido e a "fita do tempo" sobre o desenrolar do combate ao incêndio não foi parada, mas sim "transferida para o posto de comando, para evitar erros".

Questionada sobre a razão para que este documento ainda não seja do conhecimento público, a mesma fonte do gabinete de Eduardo Cabrita explica que "o relatório da ANPC ainda está a ser analisado".

No entanto, Paulo Fernandes diz lamentar o carácter secreto deste relatório da protecção civil. "Gostava de o conhecer", afirma.

O elemento da comissão presidida por João Guerreiro regista o momento escolhido para a divulgação do relatório, sustentando que poderá ser um sinal de que os cargos de topo da ANPC sentem "que estão em maus lençóis". "Suponho que haja deliberações políticas de alteração da ANPC ou de substituição de pessoas", remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Claro!
    26 out, 2017 lis 16:56
    Só o jornal i apressado na malabarice é que lança para a opinião publica uma única versão! E vem logo com documentos secretos! Tudo porque como não existem são secretos! E os outros media, sedentos, papagueiam de imediato a noticia sem sequer investigarem a veracidade da mesma! E depois querem ser credíveis!
  • Cidadao
    26 out, 2017 Lisboa 16:14
    Os boys e girls da Proteção Civil - colocados politicamente mas sem qualquer competência para os cargos que ocuparam por nomeação - obviamente "defendem-se" e defendem o seu tachinho, começando por um relatório a arrasar as conclusões dos peritos. E outras iniciativas irão surgir. O Diabo, é que não era a Comissão Independente que estava à frente da Proteção Civil durante Pedrogão e agora. Eram eles. E falharam. Estenderam-se ao comprido e disso resultaram mais de 100 mortos. Demitidos, era pouco. Eles e quem os nomeou, sem cuidar se estavam habilitados e/ou eram competentes, deviam ser levados a Tribunal.